Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

Inserir ou não o Au Pair no currículo?

O que as empresas precisam ultimamente é de gente inteligente e que aprende rápido. E esse tipo de habilidade nós, au pairs, temos de sobra!

Au Pair na Europa

Você tem mais que 26 anos? Não tem CNH? É casada ou tem filhos? Ou também não tem como comprovar sua experiência com crianças? Talvez fazer o programa de Au Pair na Europa seja uma boa alternativa pra você.

Agências para os Estados Unidos

Tudo sobre diversas agências que fazem o programa de Au Pair para os Estados Unidos.

23 outubro 2020

Como eu descobri novas possibilidades de intercâmbio e me planejei pra ser Au Pair na Austrália?

Como eu disse no meu texto anterior, com aquela semente germinada eu pude enfim ter esperança e com muita ajuda e apoio daquela amiga tão especial eu encontrei outro caminho que foi o de se tornar Au pair sem depender de agências.

Após nossa conversa ela me levou para a casa dela e me cadastrou no site Au PairWorldEla fez todo o cadastro e nós preenchemos tudo o que o site pedia com muita atenção.

Meu inglês era péssimo (praticamente zero)... Acreditem... A ajuda dela foi imprescindível!

O cadastro basicamente é criar um perfil (conta no site) que mais parece um currículo. Lá você preenche informações básicas, conta sobre você e suas experiências, coloca fotos e vídeos e também escolhe os países que você tem interesse. Através desse perfil criado as famílias poderão te encontrar, mandar mensagens, marcar entrevista e te conhecer melhor. No cadastro (na época) era necessário colocar 3 países que eu estaria disposta a ir.

Então fizemos a escolha pela seguinte ordem:

·      * Austrália - Porque era meu sonho de criança conhecer a Terra de Oz e cangurus.

·      * França - Porque eu também desejava conhecer a França e aprender falar francês.

·      * Irlanda - Porque minha amiga havia sido Au pair lá e por isso tinha pessoas conhecidas que me ajudariam caso eu precisasse.

Com tudo isso pronto eu pude ficar "online" no site e visível para as famílias me encontrarem. Yupiiiiiiiii!!!

O site Au Pair World é muito bom, pois você se cadastra e depois seu perfil fica visível para as famílias e você também pode ver o perfil de famílias que estão cadastradas em busca de uma Au pair. Lendo os perfis, ambos podem trocar mensagens e verificar se o outro está dentro de suas expectativas e depois podem arranjar todo o processo e entrar num acordo.

Se vocês desejarem, depois eu posso fazer um post mais detalhado com passo a passo para ajudar vocês a se cadastrarem no site (me deixa mensagem nos comentários).

Assim como em minha jornada do intercâmbio eu tive a ajuda de “jardineiros” que fizeram brotar e florescer vários sonhos meus, hoje estou disposta a fazer o mesmo por outras pessoas... Conte comigo para te inspirar e auxiliar!

Voltando a história do cadastro no site... Após ter concluído, eu fui pra casa e entrei novamente no site Aupair World, e confesso que isso virou um vício tipo Rede Social. Eu não parava de olhar as famílias, ler sobre elas, ver as fotos, as ofertas de trabalho, os lugares que elas pecisavam e tudo mais. Também lia os perfis de outras meninas e comparava ao meu, na intenção de melhorar algo caso precisasse.

No outro dia, logo pela manhã, comecei a receber e-mails do site dizendo que estava tudo okay com o meu cadastro e que eu já estava apta a ficar ''on line'' e assim receber mensagens de famílias interessadas em meu perfil. Pouco tempo depois recebi 2 mensagens de famílias que se interessaram por mim. Uma família era da França e a outra da Austrália. Respondi á elas com interesse e fiquei animadíssima em receber aquelas mensagens. Ao conversar com ambas, descobri que eram mães brasileiras que moravam no exterior e buscavam uma Au pair pra falar em português com as crianças. _ Por isso eu sempre digo que não tem desculpas quando você realmente deseja algo... Se você levantar e agir, se sair de sua zona de conforto, vai perceber que toda ação tem uma reação e essa atitude vai atrair o que você tanto deseja pra bem perto de você! _ Meu inglês era básico (só na minha imaginação - porque na realidade nem existia inglês nesta cuca aqui), francês eu nem sequer sabia falar “merci beaucoup”. Então os critérios pra escolher entre as famílias viria com o meu 'feeling' mesmo... e isso sim eu tenho de sobra! Hahaha...

Depois de conversar muito com as mães, marcamos entrevistas por telefone, e ali eu eliminei a possibilidade de ir pra França, pois percebi que a mãe de lá estava querendo uma empregada doméstica e não uma Au pair, além disso, ela deixou claro que eu não poderia estudar e isso me frustrou bastante, pois meu interesse de intercâmbio era além de conhecer um novo país e vivenciar uma nova cultura, aprender ou aperfeiçoar um novo idioma.

Em contrapartida, a conversa com a outra mãe (da Austrália), foi imensamente gratificante. Em tudo a gente combinava e gostava uma da outra. Ela me passava segurança e me deixava confiante. Ela me ligava, fazia chamadas no Skype, mandava muitas mensagens tirando todas as minhas dúvidas e ainda me entrevistou juntamente com o marido, que por sinal foi muito gentil e legal, assim como ela.

Com isso fomos ajustando nossos interesses e expectativas. No meio do processo, por questão de segurança para ambas as partes, ela sugeriu que eu fosse conhecer a mãe dela pessoalmente (que morava no Brasil, cerca de 200 km da minha cidade) e assim com a aprovação da mãe dela, só dependeria de mim se eu topava ou não.

Viajei até a mãe dela e foi maravilhosa a experiência, pois conheci uma pessoa super alto astral, cheia de experiências e muito amor pela família. E ali pude ver a origem daquela que poderia ser minha 'Host Mom', e meu coração se encheu de tranquilidade, paz e a certeza de que mesmo do outro lado do mundo, eu estaria com pessoas boas de verdade!

Assim surgiu a chance concreta de ser Au pair!

Depois de muitas conversas e entrevistas, tanto a família, quanto eu, concluímos que daríamos certo juntos. Então começamos a falar da parte burocrática, e ali percebi que eu realmente não sabia ''nada''... hahaha... Uma caipira que nem passaporte tinha. Fui em busca de tirar meu passaporte, tirar meu PID (permissão internacional para dirigir), e ainda descobri que existia um negócio chamado VISTO.

Algo que nunca imaginei que era tão necessário e complicado para o intercâmbio. Então parti pra leitura de blogs e assisti muitos vlogs também. 

Encontrei páginas que me ajudaram demais na pesquisa e me fizeram adquirir muito conhecimento para esse novo acontecimento em minha vida.

Eu recomendo demais cada um deles que vou listar aqui, caso vocês tenham interesse em pesquisar e também obter mais informações:

Vlogs do Diogo Kyrillos – Nômade Digital (Play list SAINDO DO BRASIL no Youtube) - https://youtu.be/oGEvlbAnJ6c

Canal da Paty César (Play list DIÁRIO DE INTERCÂMBIO) - https://youtu.be/MDwFCxYdbEM

Blog da Nina Caxambú - http://tagarela.com.au


No próximo post eu volto pra contar toda minha saga pra obter o Visto pra Austrália.


Beijos e até a próxima!!! 

Nandy



Share:

Depois do Au-Pair: Pra onde ir?


Oi meus amores! 

Eu abri uma caixinha no Instagram sobre o que vocês gostariam de saber sobre o programa aqui na Alemanha ou na Áustria, e me sugeriram um assunto super interessante e que eu particularmente AMO!!! que é sobre dicas do que fazer ao final do seu ano de Au-Pair se você planeja continuar no país.

Poucas são as pessoas que, ao final do ano de Au-Pair, decidem voltar pro Brasil. 
Independente do motivo, a minha opinião é que não existe escolha certa ou errada. Conheço muita gente que voltou e conseguiu um emprego incrível, como gente que ficou e não se realizou. E virce, e versa.

Sem mais delongas, hoje eu apresento a vocês as oportunidades de ficar no país após o intercâmbio.

*As dicas apresentadas a seguir, são dicas que excluem a possibilidade de casamento com Europeu e Blue Card.


Começando pela Áustria:

Na Áustria, só é permitido ser Au Pair por até 12 meses, e embora seja um país bem fechado a estrangeiro, existe uma (isso mesmo que você leu: UMA) possibilidade de ficar após o programa, que é o caso de quem decide começar a universidade. Você pode trabalhar até 20h semanais e 40h nas férias.

Os requisitos são:

  • Um sponsor (pessoa/empresa que assina um termo de responsabilidade financeira por você) ou uma quantia de 10.593,36 euros (valores de Maio/2020) em conta bloqueada;¹
  • Contrato de aluguel de residência (quarto, casa ou apartamento) contendo seu nome;
  • Conhecimentos B2-C2 em alemão.²
¹ Lembrando que é sempre bom ter uma quantia a mais que esse valor, pois ao apresentar exatamente o valor estipulado, seu pedido pode ser negado "sem explicações".

² Uma coisa que facilita bastante na Áustria é que você pode requerer o visto com conhecimentos de alemão A2, e tem até 24 meses pra atingir o nível que seu curso pede (entre os níveis citados acima).


Na Alemanha, pode-se ser Au Pair também até 24 meses, porém, temos uma gama maior de possibilidades. Sendo elas:

Freiwilligendienste (FSJ)/ Bundesfreiwilligendienst (BFD) - Mais conhecidos como "Ano social", estes são praticamente os passos obrigatórios pós Au Pair, tendo em vista que em muitos empregos aqui na Alemanha eles pedem como requisito que você tenha cumprido ao menos 6 meses de ano social.
Esse intercâmbio é basicamente o que o nome diz: você é um voluntário pelo governo em uma empresa. Essa empresa pode atuar nas mais diversas áreas. As mais comuns são Kita/Krippe/Kindergarten (jardim de infância) e Altenpflege (cuidador de idosos). Geralmente, você trabalha 39/40h por semana e recebe um auxílio (bem baixinho mesmo, entre 150 euros e 400 euros + benefícios). 
Os requisitos são:

  • Para FSJ, ter até 26  anos até o começo do seu contrato (você precisa terminar o contrato antes dos 27). Pra BFD não tem idade mínima, nem máxima
  • Nível de alemão A2, mas quanto maior for seu nível, maior sua chance de conseguir uma vaga com moradia, benefícios, salário melhor, etc.¹
¹ Na área de Altenpflege, como a busca é muito grande, é comum encontrar vagas com alemão até mesmo A1 (o que não é aconselhável).

Ausbildung - O Ausbildung já é o sonho de consumo da galera, isso porque é o equivalente ao nosso "curso técnico", e ele te qualifica pra trabalhar aqui na Alemanha, e melhor: na maioria dos casos, você estuda e estagia em uma empresa que banca seus estudos. Ou seja: você não paga seus estudos, e ainda ganha salário e benefícios!
Mas como eu disse: na maioria das vezes. Isso porque existem algumas áreas em que é praticamente impossível encontrar patrocinador, então seu visto acaba sendo um visto de estudante comum. A forma de trabalho varia de empresa pra empresa, mas geralmente é de meio período ou escala semanal/mensal (1 semana/mês no curso, 1 no trabalho). Como o Ausbildung é uma formação, o salário varia por profissão, assim como no Brasil. O comum é entre 600 euros até 1800 euros, mas essa variável é enorme, podendo ser mais ou menos.
Os requisitos são:

  • Nível de Alemão B2-C1¹ 
  • Equivalência de estudos²
¹ B2 é basicamente só pra Ausbildung em áreas necessitadas, como enfermagem e cuidador de idosos. 

² Aqui na Alemanha, o sistema educacional é completamente diferente do nosso (e nem adianta me perguntar, pois eu já desisti de entender) e por isso, você precisa fazer uma equivalência de estudos chamado "Annerkung", que equivale seu ensino médio. Algumas empresas pedem só isso, outras pedem também o "Abitur", que serve como uma prova de que você está apto a ingressar na faculdade (mais ou menos como nosso ENEM).

Estudante universitário -  Bom, pra quem tem o alemão bom o suficiente pra ingressar na faculdade (que funciona diferente da Áustria em questão do conhecimento de língua).
Seguem aí os requisitos:

  • Nível C1-C2 em alemão¹
  • Um sponsor (pessoa que assina um termo de responsabilidade financeira por você) ou uma quantia de 12 mil euros em conta bloqueada;²
  • Abitur.
¹ Na Alemanha você já tem que aplicar pra faculdade com um comprovante de nível, não funciona como na Áustria. Pode ser que o amigo do amigo do amigo do seu amigo conseguiu ingressar com B1-B2, mas você não vai gastar rios de dinheiro em documentos pra correr esse risco de não ser aceito, né?

² Na Alemanha não se tem um valor exato do montante necessário pro visto. Gira em torno de 10 mil euros, mas ninguém nunca tem certeza e, como disse anteriormente, sempre arredondar o valor pra mais, pra não ter problemas com o escritório de imigração.


Bom, com isso tudo de dicas, bora estudar esse idioma nada difícil e colonizar essa Europa de volta, rs.

E lembrem-se: ficar ou voltar pós o seu ano de Au Pair, só depende do que te faz feliz. 
A Alemanha é uma ótima oportunidade, mas estar na nossa casa é absolutamente tudo!

O importante é estar feliz e em paz consigo mesmo :)


Vejo vocês próximo dia 23, e qualquer dúvida, já sabem: vem de insta :*

Bis bald <3

Share:

22 outubro 2020

Dirigindo na neve: e agora?



Hallo zusammen!

Então né, outono chegou e eu ouvi falar que a neve já chegou em alguns lugares, então vou aproveitar pra falar sobre direção na neve, que é algo que eu gostaria de ter aprendido antes de ir hahaha! 

Primeira dica e a mais importante de todas: tenham muita calma! 
Dirigir na neve requer calma, tempo e paciência, então, nada de sair em cima da hora se estiver nevando. Acorda mais cedo, faz tudo mais cedo e saia com antecedência, porque você vai precisar de mais tempo! 

Segunda dica: ligue o carro antes da hora de sair. 
Eu odeio essa parte, mas é uma dica necessária. O carro vai ficar muito gelado com a neve, e não é todo carro que tem um aquecedor rápido. O meu, por exemplo, não tinha. Então, liga o carro, volta em casa, toma um café, pensa se não esqueceu nada e aí sim você volta pro carro e tá prontinho pra partir. 

Terceira dica: sempre tenha um limpador de neve no carro, exija isso pra família! 
Minha família me deixou sem limpador durante os primeiros dias de neve e eu me desesperei porque não sabia como limpar os pára-brisas! Tentei com papelão, com a mão (e sofri por isso) e, enfim, foi horrível! Até que meu host me viu fazendo isso é só aí me deu um. 

Quarta dica: não use o farol alto. Neve é que nem neblina, o farol alto só vai te cegar. Por isso, nada de farol alto enquanto estiver nevando! 

Quinta dica: dirija devagar. Principalmente se você não tem experiência, essa é uma dica de ouro. Pessoas com experiência as vezes são loucas e dirigem rápido, mas não faça isso! Usar o freio numa pista com neve é muito perigoso, então o melhor freio que você vai ter, vai ser a embreagem. E, pra isso funcionar com segurança, você precisa manter a velocidade baixa. Claro, em pistas já com sal você não precisa ir tão devagar, mas se acontecer de você estar numa pista onde ainda não tenha sido jogado o sal, vai na calma, vai ser melhor do que arriscar a vida. 

Sexta dica: peça à host family pra que coloque os pneus de neve antes mesmo da neve chegar. Onde eu morava, por exemplo, era obrigatório o uso de pneu de neve à partir do primeiro dia de outono, mas nem todos os lugares são assim. Mesmo que não seja obrigatório na sua cidade, peça à família, é uma proteção pra você mesmo.
 
Essas foram algumas dicas que eu lembrei, se eu lembrar de mais dicas o suficiente eu faço uma parte dois, mas de qualquer forma vocês sempre podem ir no meu inbox do Instagram tirar dúvidas sobre isso e sobre outras coisas também! (@bia.jando)
No mais, relaxem, tenham calma e logo vocês acostumam! Drive safe! 
Bis zum nächste mal, tchau! 


Share:

20 outubro 2020

Redes sociais X Au Pair: cuidados que você precisa ter

 


Cuidado nas redes sociais nunca é demais, p
ois existem certas coisas que podem ser evitadas. 

 
No post de hoje, venho trazer dicas e alertas que são úteis para preservar nossa imagem e salvar de problemas maiores, seja envolvendo somente sua pessoa ou até mesmo a host family, tais como desentendimentos, exposição desnecessária, brigas e até rematch (assim como houve comigo!).
Antes de tudo, quero que entendam que nem sempre a experiência do colega vai ser a mesma que a sua, que a MINHA não é regra e acontecerá o mesmo contigo. Há sim blogueiras muito tops que continuam a criar conteúdo sobre o Au Pair, mas nem sempre a liberdade que elas tem, é geral. 
Vamos voltar para meu período pré Au Pair. Em paralelo com minhas tarefas de encontrar família, visto, etc, criei um Instagram voltado para o intercâmbio, para diferenciar essas etapas, focando mais em uma coisa e estava certa de que iria ser como as blogueiras. Erro meu e este é o assunto do post.


#1. Privacidade é tudo
Se você gosta de exposição, lembre-se que famílias americanas encaram as redes sociais como algo mais privado e muito raramente terão as contas de Instagram e outras redes sociais abertas. Se você é dessas que gosta de postar muitos stories de tudo que está fazendo, reveja seus conceitos. A função de melhores amigos nunca será tão bem usada.


#2. Cuidado com o conteúdo
Você nunca sabe quem está do outro lado da tela e qual o tipo de impressão ou intenções ele tem de você. Pensar no conteúdo e o tanto de exposição que você irá publicar é um cuidado com a sua própria vida e também super observado pelas host families. Novamente, evite postar sobre localização da casa, aonde está com as crianças e informar coisas pessoais demais.


#3. Pergunte antes
Quer postar sobre a host family ou as kids? Vai em frente somente após alinhar com eles se está tudo bem e até que ponto toda essa exposição pode ir. Às vezes, eles podem não gostar de uma exposição muito prolongada, seja das crianças, da casa ou até de bens deles (carros, piscina, etc). Nossa realidade de postar tudo é completamente diferente sobre a deles.


#4. Seu tempo off não é totalmente off
Enfim a hipocrisia. Fique muito alerta com o conteúdo que você irá mostrar nas redes sociais, mesmo que esteja em seu tempo off ou fora do ambiente profissional. Stories de saidera ou outras situações que, para nós não significa tanto, pode te deixar numa saia justa. Aqui temos a sugestão de melhores amigos do Instragram novamente, pois entendo quando queremos muito compartilhar algo.


#5. Evite ter host family nas redes sociais
Quer saber como evitar os problemas acima? Simples! Fazendo isso, você acaba vivendo sua vida normalmente, se eles por um acaso procurarem suas redes sociais e encontrarem algo que não gostem, não há nada que se possa fazer. Com isso, vocês não precisarão bloquear os stories deles. De modo geral, podem ser muito invasivos e ao mesmo tempo curiosos. Eles querem nos conhecer no tempo off e qualquer atitude pode ser crucial.


E como rolou meu rematch? 
A famlìia ficou de acordo comigo postando no meu instagram porém eles acharam exposição demais, pois na época tinha mais de 400 seguidores. Me pediram para não falar nada da vida deles, apenas mostrar minha rotina. Houve aí um erro bem grande de misundertanding.

Como Au Pair, minha rotina eram as crianças e acabei fazendo um curto vídeo explicando um jogo chamado "Go Fish" com uma rápida participação da minha kid. Com isso, foi mais fácil pedir o rematch do que frisar novamente qual era a ideia inicial deles e entender que eu havia interpretado errado. E assim sai da casa apenas 9 dias após chegar lá.

Espero que minhas dicas sejam úteis a vocês.
Até o próximo mês!


Share:

Sobre homesick...


Hi guys! Esse mês eu completo exatamente 5 meses vivendo aqui nos EUA. (toda vez que eu escrevo aqui me sinto em um diário haha). Como tudo na vida com muitos altos e baixos, apesar de sempre ser meu sonho morar fora eu não fazia ideia de como as algumas vezes a saudades é tanta que chega a doer. Sempre eu paro para pensar nisso fico reflexiva, porque por um lado sinto uma gratidão enooorme por ter conseguido chegar aqui no meio dessa pandemia e não ter adiado meus planos. Eu sei que isso aconteceu com muitas meninas e nem imagino o quanto elas ficaram tristes e frustradas… 

Mas enfim, ninguém é de ferro. Essa semana é o meu aniversário e até agora não tinha sentindo esse sentimento em 5 meses. É uma mistura de quero minha mãe e minhas gatas me acordando e falando parabéns e meu pai me trazendo um bolo (que saudades mds hahaha), e de sair com meu namorado. Mas também queria comemorar em um lugar que eu nunca estive. (tipo EUA).
As vezes a saudade bate muito forte, mas eu sei que tudo na vida tem um propósito. A gente vai tentando amenizar do jeito que consegue, por ligação, comendo coisinhas brasileiras, ouvindo raça negra. E com certeza outra coisa que ajuda em qualquer homesick são os amigos, muito obrigada por todas as pessoas incríveis que eu conheci nesses 5 meses!

 
É isso pessoal, vejo vocês no próximo dia 20!  


Share:

17 outubro 2020

Como tirar o visto após chegar na Irlanda!

Olá leitores. Depois de contar um pouco sobre meus primeiros dias e perrengues na Irlanda, como esse mês é HALLOWEEN, quero contar um pouco sobre a tão temida e assustadora burocracia para a aplicação do visto após chegar no país.

No primeiro dia na escola de idiomas, é feito um teste de nivelamento do inglês para definir seu nível de conhecimento da língua. No meu caso, vim com zero inglês, então fui designada à classe beginner (nível 0). Após o teste, a escola fornece uma carta para abertura da conta bancária (muito cuidado ao escolher a escola para o seu intercâmbio, pois antigamente as escolas tinham convênio com os bancos para abertura da conta, hoje em dia, apenas 3 ou 4 escolas te fornecem essa carta). Antes de fechar seu intercâmbio com a agência, procure saber se a escola escolhida irá te ajudar com o processo bancário, pois caso a escola não tenha convênio bancário, será uma dificuldade abrir conta no banco.

Antigamente, com a carta da escola, a conta bancária aberta e seguro estudantil em mãos, você só precisava ir até o escritório da imigração, pagar 300 euros pelo seu visto e já saia com seu “RG” irlandês em mãos, o tão famoso GNIB... Hoje em dia, todo o processo é online, o que facilitou bastante. Você precisará fazer um cadastro online no site da imigração, anexar seus documentos (carta da escola, seguro estudantil), pagar os 300 euros, enviar o passaporte por correio e aguardar em torno de 15 dias úteis para receber seu passaporte e GNIB (que no caso agora se chama IRP) em sua casa, vale lembrar que com o processo de visto online. Você não poderá ficar “ilegal” por muito tempo para renovar seu visto. O prazo máximo para renovação online é de 1 mês antes de seu primeiro visto vencer, caso você ultrapasse esse prazo, terá muitos problemas com a imigração, podendo até ser deportado caso sua justificativa por ter ultrapassado o prazo de renovação não seja aceita.

Após receber seu passaporte em casa, você precisará agendar um dia para ir ao Intreo (nosso famoso PAT) para fazer seu PPS. PPS é um cartão que funciona como sua carteira de trabalho. Sem esse ele, as empresas não conseguem te contratar, por isso é muito importante tê-lo, mas caso não consiga tirar o PPS, vc poderá tentar arrumar algum trabalho no qual se é feito o pagamento em mãos - o famoso cash in hand, - somente lembrando que, 99% das empresas só te contratam se vc tiver esse cartão, caso contrário, será bastante estressante arrumar empresas que não te registrem. Mas não desista, porque não é impossível encontrar empresas que não exijam o cartão.

Estudantes na Irlanda, por lei, só podem trabalhar 20 horas semanais, então se você for bem econômico, conseguirá sobreviver com um salário de 202 euros por semana (já que o valor mínimo da hora trabalhada são 10,10 euros.)

Vale lembrar que, para o programa de Au pair, não é necessário ter o PPS, pois a maioria das famílias não te registram.

Com todos os documentos em mãos (GNIB, PPS e conta bancaria), você estará legal no país e pronto para curtir seu intercâmbio sem nenhum stress.🙏😃

Vou ficando por aqui, espero que esse post tenha ajudado e tirado as dúvidas mais comuns de como obter o visto de estudante na Irlanda.

Fiquem ligados nos próximos posts, pois terá muita surpresa e histórias para serem contadas.

Tenham um ótimo HALLOWEEN e até mês que vem.

Bjinhos e nos vemos nos próximos posts.

XOXO  👄👄

 



Share:

16 outubro 2020

Surpresas inesperadas.


Hello “ma” friends, antes de tudo, “realmente tudo“, preciso compartilhar minha alegria, pois está é a primeira vez que escrevo dias antes da data oficial (sempre escrevia na noite anterior) e acreditem, estou usando meu 1/2 dia off para dar vida ao texto, a sensação é satisfatória, não que eu não seja pontual mas “cá” entre nós, minha breve explicação há de ser compreendida, sabe quando um aspecto da vida tá meio fora de ordem? Então, por minúsculo que seja o mesmo acaba fazendo outros aspectos ficarem desalinhados, entende? Mas whatever e bora lá...

Ps: Inclusive esse momento faz jus ao título “SURPRESAS INESPERADAS.”

Está minha vida canceriana é baseada em surpresas, as vezes boas, as vezes ruins mas nunca impossíveis. Inclusive comecei a jornada de Au Pair tendo uma grande surpresa e não sei como não tive um ataque cardíaco, pois na segunda feira pós eleições 2018, peguei o telefone e finalmente solicitei o boleto do intercâmbio e ouvi o seguinte:

“Scarlett, preciso confirmar se você ainda pode ser Au Pair, a idade máxima são 26 anos e 3 meses e eu estava exatamente com essa idade.”

Ali, eu vi um buraco se abrindo e eu não tive tranquilidade, tive medo. A espera de 15 horas durou 1 mês (na minha cabeça), mas a  vida sendo uma caixinha e blá blá blá, naquela vez, foi positiva a surpresa e fui salva por 15 dias restante - valeu número ímpar.

Mas vamos falar sobre as surpresas em terras  de “Uncle Sam”, onde tudo fica à flor da pele e posso começar contando sobre a minha chegada ao Aeroporto. Estava perdida, sem saber para onde ir e eu fui seguindo um monte de meninas que para minha sorte segui certo e cheguei ao hotel de treinamento. De repente vi que o meu “suado Inglês intermediário” era “malemá” um básico. RAPAZ DO CÉU! Senti que seria TIRO, PORRADA e BOMBA, mas sobrevivi. Dias cansativos, não entendi nem 20% do que as palestrantes falaram. mas valeu a pena porque conheci duas amigas queridas (Thaina e Gabi), comi coisas gostosa e conheci a Times Square...

Mas agora as SUPRESAS INESPERADAS, faço favor de destacar:

1- REALIDADE HOST FAMILY:

Tudo a princípio foi agradável. Fiquei alegre ao ver as kids segurando cartazes na minha chegada, a casa era linda, o meu quarto super aconchegante com fotos, tudo especial para os primeiros minutos, pois logo que deixei meu quarto eu vi a primeira câmera e já me senti estranha porque nunca falaram sobre “câmeras” em nenhuma das conversas e para a surpresa ser completa, haviam câmeras em todos os cômodos da casa, exceto meu quarto e banheiro (EU ACHO). 

2- TIMIDEZ: Por certo momento, me tornei uma pessoa extremamente diferente de quem eu sou. Sempre fui a pessoa que chegava sozinha e de repente estava cantando com uma galera como se os conhecesse há anos, inclusive comecei amizades de longas datas nesse jeito, mas nesse momento eu estava sendo uma surpresa desagradável para mim mesma... Mas sei que era vergonha em falar em Inglês.

3- REMATCH: O desgraçado veio em curto prazo de tempo e a justificativa foi a pior de todas:

 “I need a strong driver, you don't know how to drive in the snow.” 

Sem contar que era VERÃO...Enfim, pela primeira vez em terrinha de titio, eu chorei e pensei: “Tô fudida” mas mal sabia eu que na verdade eu tive um livramento, foi a melhor coisa esse REMATCH.

4- MATCH INDESEJADO: O abençoado chegou, também  em um curto prazo mas eu não queria, porque imaginava que a minha schedule seria difícil e estava com medo de cuidar de uma bebê tendo um inglês merda igual o que eu tinha, mas a vida além de “caixinha bonitinha”, também é uma Roda Gigante. E então ela girou, livre, leve e dona de mim, fazendo eu parar exatamente no MATCH INDESEJADO, não tive saída e como um cão arrependido (Chaves) tô zuando... Valeu Roda Roda da vida, você me colocou no melhor lugar e eu tenho uma Host Family incrível, sou grata demais por ter eles em minha vida.

5-AMIZADES: As belas vieram e junto trouxeram aconchego, amor, cuidado e carinho, mudaram as estações e eu pude contar com alguns bons amigos que este intercâmbio me deu de presente.

6- FALTA DE COMUNICAÇÃO: Se tem um negócio que foi surpreendente ruim para mim, foi a minha falta de comunicação em especial com a minha Host Mom, (sempre fui a menos tímida da roda de amigos, escola, quem me conhece sabe disso) mas eu miseravelmente tive vergonha de não conseguir me expressar e isso me trouxe alguns maus bocados (não gosto nem de lembrar) mas graças a PACIÊNCIA da minha Host Family e há alguns bons amigos ouvintes, eu consegui me expressar e começar a viver de fato um sonho... Please, conversem, arrisquem, afinal o Inglês não é o nosso idioma materno e estamos aqui para aprender e está tudo bem a gente errar... Dizem que é errando que se aprende.

7- COVID: “Ô desgraca!” Vou nem escrever!

8- NEW HOST FAMILY (versus) BACK TO THE OLD  HOST FAMILY: Ao final do primeiro ano, precisei trocar de Host Family, eu não queria mas não tive opção, minha antiga Host Family pensou que não precisariam mais de Au Pair e eu precisei embarcar para outro canto, fui embora chorando mas confesso que sempre senti que voltaria para o lugar que me ensinou tanto, por fim, essa surpresa se tornou real e em menos de dois meses eu estava de volta, em casa.

9- LOVING CAN HEAL: Hoje, poder escrever isso e de fato sentir a veracidade dessas letras, faz eu me sentir abençoada demais para esbravejar pelos dias ruins. Hoje me lembro de quase todos os caminhos que passei antes daqui e consigo ver graça aonde quer que eu vá, consigo enxergar felicidade ao olhar para a lua, consigo ser leve sem permitir que os ventos me levem para longe de mim mesma, afinal a vida me ensinou e me surpreendeu! 

10- Ahhhhh, preciso dizer que agora eu como PIZZA (só da minha mãe anfitriã) e CEBOLA! GOOD JOB ♥️

Precisamos aprender a lidar com as frustrações, pois o futuro não nos pertence. Mas costumo pensar que nenhuma folha cai ao chão sem permissão, não é coincidência... Se permita viver todas as surpresas que chegarem até você, seja leve consigo mesmo mas não ature gente leviana.

“Dizem que na vida quem perde o telhado ganha as estrelas.” 

Klinque Mussolini.


Vejo vocês no próximo mês, por favor não desistam dos meus textões, prometo que no meu próximo 1/2 Day off, vou praticar a escrita breve...

Bebam água e comam frutinhas.

Beijo.



Share:

Follow by Email