01/07/18 ~ O Blog das 30 Au Pairs

Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

Sorteio

Tudo que você precisa para dar aquele up no seu processo de au pair. Participe do nosso sorteio!

Au Pair na Europa

Você tem mais que 26 anos? Não tem CNH? É casada ou tem filhos? Ou também não tem como comprovar sua experiência com crianças? Talvez fazer o programa de Au Pair na Europa seja uma boa alternativa pra você.

Agências para os Estados Unidos

Tudo sobre diversas agências que fazem o programa de Au Pair para os Estados Unidos.

segunda-feira, julho 30, 2018

AU PAIR | Como o programa de au pair mudou a minha vida?

Particularmente pra mim, o au pair me transformou. No começo é difícil enxergar tantas mudanças, mas hoje eu vejo o quanto eu mudei, amadureci e me tornei melhor. Parece clichê, mas independente da experiência de au pair ser boa ou ruim, você vai aprender muito sobre você. Tenha certeza disso.

Eu sempre fui uma pessoa determinada e sempre acreditei em mim. Sempre soube das dificuldades e também das minhas limitações, mas nunca deixei de acreditar em mim.

Quando ainda trabalhava no Brasil, eu me vi numa situação difícil profissionalmente e até um pouco constrangedora. Em frente de todos os meus colegas de trabalho, minha chefe demonstrou muita surpresa e indignação ao saber que eu não falava nada de inglês. Naquele momento eu me senti um pouco constrangida, por saber que eu, no meio daquele grupo de pessoas, fui a única que tive a coragem de falar a verdade (pois muito deles também não falavam inglês) sobre meu nível de inglês. Enfim, não me deixei abalar por isso, e assim que tive oportunidade comecei a estudar inglês, com o objetivo de ter mais oportunidades profissionais e também porque eu sempre amei músicas em inglês e sempre achei lindo o idioma. 

Resumidamente, depois de 1 ano e meio eu falava inglês melhor do que muitos no meu trabalho. Porém, nesse meio tempo muita coisa mudou na minha cabeça. Eu não queria mais ficar ali, eu queria viajar, praticar inglês fora do Brasil, morar fora...ter novas experiências; e foi assim que o au pair surgiu na minha vida.

Vou listar pra vocês tudo que aprendi com o au pair (na verdade tudo que eu consigo lembrar agora):

  • Eu me tornei mais independente - sempre fui independente em muitos fatores, como correr atrás do que era importante pra mim e etc, mas aqui eu aprendi como é viver sozinha, cercada de gente desconhecida e diferente de você. Essa solidão que bate no começo não é fácil. O famoso "choque cultural" também não é, mas confesso que não senti muito isso não.
  • Eu hoje enxergo o mundo e a vida de uma forma que eu nunca tinha visto antes - não tenho mais o sonho de ter muito sucesso profissional, ter dinheiro e etc. Eu quero viver bem e ponto. Sou uma pessoa simples. Ter um lugar legal pra morar, acesso a saúde, aproveitar o que o mundo tem de bom pra oferecer é o que eu desejo agora.
  • Dou muito mais valor pra minha família - hoje eu vejo quantas oportunidades eu tive de ajudar minha mãe com coisas simples e eu não fiz por preguiça e egoísmo. Não vejo a hora de poder fazer um almoço gostoso pra ela, de lavar roupa pra ela e dar a oportunidade dela descansar um pouco.
  • Aprendi a cozinhar e a cuidar de uma casa de verdade - acho que a necessidade te ensina tudo ou quase tudo nessa vida. Só minha mãe sabe o quanto eu odiava cozinhar. Tinha vontade ZERO de ir pro fogão e hoje eu adoro cozinhar. Me sinto relaxada quando estou cozinhando. Acho incrível descobrir novas receitas, fazer uma comida gostosa ou tentar imitar um prato da minha mãe e conseguir.
  • No meio do meu intercâmbio eu descobri qual é minha vocação profissional. Quero ser professora de inglês e português e também tradutora. Eu sei que vai levar um tempinho, mas eu não tenho nenhuma dúvida de que vou conseguir.
  • Meu machismo tem diminuído mais e mais - parece estranho, mas mulher também pode ser machista. Sabe por quê? Porque ter sido criada num ambiente machista me fez ter pensamentos machistas que nem eu sabia que tinha. Nunca concordei com essa história de que mulher que tem que cozinhar e arrumar a casa, mas confesso que no Brasil era o que mais eu via e cresci numa casa onde os homens não faziam nenhum serviço doméstico. Cá estou eu na Suécia, talvez o país mais igualitário do mundo, e aqui é tão normal homens fazendo tarefas domésticas; não existe brinquedo de menina, cor de menina, tarefa de menina. Aqui todo mundo cresce com a ideia de igualdade de sexo e isso é tão maravilhoso.
São tantas as lições aprendidas que é difícil listar. Daqui a pouco vou lembrar de muitas mais. Eu tenho certeza de que me tornei uma pessoa melhor e de que quero melhorar ainda mais. 

Se você está com medo de se jogar nessa aventura de incertezas que é ser au pair, eu só tenho um conselho: vá! Será a experiência mais louca e talvez mais valiosa da sua vida. Mesmo com os altos e baixos eu não me arrependo de nada e faria tudo de novo pra chegar onde estou agora.

É meu segundo ano como au pair e eu não seria, nem serei au pair de novo, porque acho que é uma fase e a minha fase tá chegando ao fim, mas desejo de coração que você encontre o seu caminho no au pair ou fora do au pair.


Boa sorte!

Por Valeska Monteiro

E-mail: vikingbrasileira@gmail.com

Share:

domingo, julho 29, 2018

O Que torna a Vida de Au Pair mais Difícil

Olá!

São inúmeros os fatores que podem influenciar na boa convivência entre Au Pair e Host Family, e também interferir na qualidade da rotina de trabalho.

Julgando pelas minhas experiências trabalhando para diversas famílias como Au Pair e nanny, aqui vai minha lista das coisas que normalmente dificultam nossas vidas.



PAIS QUE TRABALHAM DE CASA

Existem exceções, mas na maioria dos casos a criança vai querer correr para os pais o tempo todo e você fica menos a vontade em geral.

Nós como Au Pairs criamos nossa própria rotina com as crianças, e nos dias mais caóticos isso inclui dar umas escapadas pra olhar o celular, demorar um tempinho a mais pra lavar a louça e ter mais uns minutos pra respirar, entre outros. Com pais em casa tudo isso fica mais difícil. Fora que às vezes eles resolvem interferir na nossa schedule e aparecem com “sugestões”do que deveríamos fazer no dia.


CRIANÇAS ENTRE 4 E 7 ANOS

O problema aqui é que cuidar de crianças nessa idade é normalmente mais CANSATIVO. Sim, elas são lindas, amorosas, inteligentes, engraçadas, mas também dão mais trabalho. São emocionalmente imaturas mas já tem habilidades o suficiente pra falar demais, reclamar demais, querer negociar tudo, perguntar tudo, correr demais e causar problemas.
Elas são ótimas mas vão te deixar mais cansada. Pelo menos comigo sempre foi assim rs.

SCHEDULES “PICADAS”

A schedule picada parece boa mas não é.

Quando se trabalha 1 horinha de manhã pra levar as crianças na escola, depois 3 horinhas a tarde quando eles voltam, depois meio sábado ou domingo pra completar as 45 horas...

Dá uma impressão de que se trabalha menos quando tem um break no meio do dia mas a real é que seu tempo off também parece reduzido, e sobra menos tempo para fazer suas coisas. A não ser que essa schedule seja ideal para você, talvez tenha aula ou faça academia nesse tempo off, ela geralmente é menos produtiva do que parece.

PAIS QUE DESRESPEITAM A AUTORIDADE DA AU PAIR

Esse aqui não faz a vida da Au Pair mais difícil, mas IMPOSSÍVEL.

Cuidei de uma menina mimada uma vez que sempre respondia a seguinte frase quando eu falava “não” pra alguma coisa que ela queria: “minha mãe vai me deixar fazer mesmo então nem adianta você falar não”. E ela estava certa, a mãe não tinha o menor saco para lidar com ela e deixava fazer o que quisesse, pra ter menos trabalho. Quando uma criança não aceita o “não” e os pais não te dão autoridade, se demita ou peça rematch antes que tenha que começar a tomar remédio pra ansiedade!

Bom, essa é minha opinião sobre o que torna nossa vida de Au Pair mais difícil. Passei por todas essas experiências e comecei a evitá-las em futuros trabalhos.

Alguém aí já passou por alguma dessas??

Até o próximo dia 29! :)

Ban 

Blog: byban
Insta: @banzsposito

Share:

sexta-feira, julho 27, 2018

A Bélgica e sua culinária diferentona

COMIDA!!! Sim, o post de hoje vai falar sobre comida, o amor mundial. Afinal, quem não ama comer e principalmente conhecer comidas diferentes do mundo todo? Vou mostrar hoje algumas comidas típicas belgas e dar a minha opinião sobre elas.

1. Waffle

Na minha opinião, o waffle é uma panqueca evoluída hahaha. E os waffles da Bélgica em especial, são maravilhosos. Vários recheios, de tudo quanto é gosto (frutas, chocolate, Chantilly, açúcar etc).

2. Batata frita

Se você não sabe, a batata frita foi inventada na Bélgica e aqui se você falar que foi inventada na França, é briga na certa!!! O segredo das deliciosas batatas fritas belgas é o seguinte: primeiro eles gritam as batatas durante 3 minutos num óleo fervendo a 180°C, depois retiram do óleo e esperam esfriar completamente, após frias, eles re-fritam ela até dar o ponto. E olha, isso faz as batatas ficarem maravilhosas!

3. Witloof com batata frita

Witloof é uma "prima" da chicória, e o segredo desse vegetal é que ele é amadurecido num ambiente frio e totalmente embaixo da terra, por isso a cor do vegetal é quase branca. Esse prato em questão é feito com witloof enrolado em uma camada de presunto, gratinado no forno com molho branco com queijo. E junto, claro, batata frita. Super aprovado! É o meu prato preferido aqui.

4. Mexilhões com batata frita

Prato polêmico... Adorado por alguns, odiado por outros.. Eu fico na parte do 'odiado'. Tenho que admitir que o gosto em si não é ruim, porém quando você olha dentro do mexilhão e vê aquela "gorobinha", bom.. Não é uma visão tão agradável. Eles costumam dizer que você tem que comer sem olhar, mas vocês já ouviram a expressão "tá com uma cara boa"? Pois é, pra mim a cara não é tão boa assim. Mas explicando... Se trata de mexilhões cozidos geralmente com vinho branco e servido também com batata frita.

5. Chocolate

A Bélgica é o país do chocolate! Muitos sabores, texturas e tipos diferentes. Aqui é comum você andar nas ruas (principalmente de cidades turísticas) e sentir aquele cheiro de chocolate te seguindo. Admito... É tentador.

6. EXTRA - Cerveja

Para os bons amantes de cerveja, a Bélgica é país certo pra você. A Bélgica possui mais de 1500 tipos de cerveja, e muitas delas (como por exemplo aquelas feitas por monges) são exclusivas daqui e não são fabricadas em mais nenhum lugar do mundo. Aqui tem todo tipo de cerveja, com todos tipos de sabores e vários modos de fabricação.

Bom, é isso! Espero que vocês gostem e que esse post tenha atiçado seus paladares hahaha.

Até a próxima,
Bella
Instagram @IsinhaLopes
Share:

terça-feira, julho 24, 2018

Aniversário nos EUA | Festa Surpresa


Cheesecake Factory | West Hartford | 24.07.2016

HOJE É MEU ANIVERSÁRIO!!!! Então eu pensei: por quê não compartilhar como foi a comemoração dos meus 25 anos em 2016?!

Pois bem.


Era um domingo de sol, típico do verão americano. Na cozinha, os gêmeos decidiram preparar um café da manhã pra mim e esse gesto fez meu dia começar muito bem. Omelete, torradas, bacon e salada de frutas. Que dupla, meus amigos! Que dupla!

Minha amiga chegou porque ~ queria passar o domingo comigo, sair pra comer, coisa e tal. ~  Naquela manhã, fomos a um dos meus lugares preferidos em Glastonbury: a Ferry, perto de casa. Mandei mensagem para uma outra amiga e fomos comemorar meu aniversário almoçando no Cheesecake Factory.

Comemos e Helena (brasileira) precisou ir embora. Fiquei mais um pouco com a Dafne (mexicana) e partimos. Eu estava dirigindo e, quase na esquina de casa, ela vira pra mim e fala: sorry, I have to cover your eyes and I need to drive now (me desculpe, tenho que cobrir seus olhos e eu preciso dirigir agora).

WHAT???

Ela me ajudou a descer do carro e eu estava certa, até o último minuto, que Lucas and Morgan, os gêmeos, iriam aprontar comigo. Afinal, eu aprontei com eles uma semana antes, no aniversário de ambos. Então, nada mais justo. Eu juro que eu estava me preparando para qualquer coisa, menos para UMA FESTA SURPRESA!

SIM! Com meus amigos da igreja, minhas amigas au pairs, a host family da Dafne e, claro, minha host family maravilhosa!
Comida, bebida, um bolo lindo e delicioso (Saraphina, you are the best) e cupcakes, of course.

Sério, gente! Eu, até hoje, não superei essa festa. Minha host family, mais um vez, mostrando o tamanho do coração que têm!
Foi um dia diferente e cheio de alegria!

Eu amo fazer aniversário! E nesse dia eu senti amor vindo das pessoas que eu amo no Brasil e daqueles que escolhi e aprendi a amar nos Estados Unidos!

Meninas, quando a gente tá longe e as datas comemorativas chegam, dá aquele aperto no peito. Mas aí você percebe que está cercada de gente que te quer muito bem e faz de tudo para ver seu coração sorrir. 💖



Share:

segunda-feira, julho 23, 2018

Como posso deixar meu "application" mais atrativo para as famílias?

Oi meninas,
tudo bem?

Hoje queria falar sobre um tema super importante para quem está em processo de encontrar uma host family ou ainda está pensando em ser au pair: a elaboração do application.

Para quem ainda não conhece, o application nada mais é do que o nosso perfil digital, onde vendemos nosso peixe para as famílias, como se fosse nosso Facebook, mas aqui o foco é mostrar nossa competência como babás.



Está certo que na agência de intercâmbio as agentes irão te dar dicas de como elaborar seu perfil, vão te estimular a fazer vídeos e, eu já vi vídeos incríveis de meninas super talentosas com edição e efeitos.

Mas eu sou tímida e confesso que nunca coloquei vídeo nos meus applications (mas claro que você pode colocar, é um plus, se você é comunicatica, manda a ver!). Para quem não sabe, eu fiz o processo de au pair três vezes: duas nos Estados Unidos e agora na Holanda.

Bom, vamos lá, eu sempre quis ouvir das minhas hosts o que atraiu o meu perfil e fez com que elas me escolhessem. Respostas:

-Maturidade: eu fui incentivada na minha agência a colocar no perfil a foto com a beca do dia da minha colação de grau da faculdade, acho que mais importante do que mostrar que você tem ensino superior, isso mostra que você já tem uma idade mais avançada. Por exemplo, minha host disse que não queria mais meninas tão novas e queria alguém mais velha. Eu nem era velha na época, tinha 22 para 23 anos. Mas ela considerou isso importante.

-Simpatia: Outra coisa que sempre ouvimos é para colocarmos fotos sorrindo, óbvio né. Mas a minha segunda host me disse que ela teve certeza sobre o match comigo depois que nos falamos por telefone pela primeira vez. Ela era uma pessoa engraçada e rimos bastante durante a conversa. Ela considerou isso importante, meu bom humor e minhas risadas, porque isso mostrava que eu iria me divertir com as crianças. Porém, a ocasião fez com que eu risse de verdade, não vale forçar uma situação numa entrevista onde os hosts estão sendo super sérios.

-Gostar de animais: Ué, mas o programa não é para cuidar de crianças? Sim! Mas acho que a maioria dos hosts tem cães ou gatos. E é importante que você ao menos respeite o animal, não precisa amá-lo. Aqui em casa temos dois gatos e eventualmente eu alimento eles, troco a água, faço carinho, brinco. Não porque me pedem, mas porque eu gosto deles. E sinto que meus hosts apreciam isso. Então que tal por no seu perfil umas fotos com o seu pet? Pode te dar pontos a favor!

Bom, por enquanto é isso. Vocês têm mais dicas? Compartilhem com a gente.

Beijos

Share:

sábado, julho 21, 2018

Suporte da LCC durante o rematch

Olá!

No final de maio eu entrei em rematch! Faltando apenas 5 meses para o final do meu segundo ano (como já explicado no post anterior), o “suporte” da minha LCC foi o que fez a diferença em fechar o novo match.

Bom, para começar a explicar, minha LCC tinha tido uma au pair de extensão um pouco antes de eu me mudar para o meu segundo ano e a experiência dela não foi boa. Segundo ela, a au pair sempre que podia, voltava para visitar a antiga família e não deu oportunidade para se encaixar na família atual.

Logo que eu cheguei ela me falou sobre isso, já que ela sabia da minha boa relação com a minha família do primeiro ano.

Eu fui visitá-los duas vezes enquanto estava nessa  atual família, e a primeira vez que eu fui (depois de quase 3 meses) gerou problemas. 

A minha hosta afirmava que eu deveria saber que agora minha responsabilidade era com a família dela e que não queria que a minha primeira família interferisse (o que eu achei ridículo, já que a minha relação com eles não tinha nada a ver com a relação que eu tinha com os outros e vice-versa). Comentei com a LCC e ela ficou do lado da minha atual família.

A família que eu estava não era boa, eles não eram nenhum pouco receptivos e acolhedores e mesmo que eu tentasse, não tinha química entre nós.

Enfim demos o rematch, e a minha LCC antes mesmo de ouvir o meu lado, já veio julgando que: “garotas em extensão não são boas por isso!”.

Na cabeça dela todas as meninas de extensão não se dão bem com a família nova, pois estão ligadas às famílias anteriores, o que na minha opinião não faz sentido, já que se a sua host family nova for boa também, por mais que você tenha uma relação com a anterior, isso não vai afetar em nada.

Em todo caso, a LCC só queria jogar na minha cara que fui visitá-los, que sempre ligava para eles e não dei valor a host family nova, que sempre tentou ser ótima pra mim (bullshit).

Eu tive que ficar na casa da LCC durante esse processo, e ela estava literalmente CAGANDO para mim. Havia uma outra au pair em rematch na casa dela e a diferença de tratamento era visível! 

Image result for posso ajudar

Ela não se propôs a ajudar em nenhum momento como LCC, não perguntou como eu estava me sentindo ou nada do que eu imaginei que uma LCC (nosso suporte nesse mundão de au pair) deveria fazer.

Eu como trouxiane que sou, sempre ajudava a au pair da LCC com as crianças dela, ia junto buscar na escola e brincava com eles, já que não tinha nada para fazer o dia inteiro. 

Então, depois de uma semana sem nada muito promissor quanto à match, com e-mail de AupairCare pedindo que eu comprasse a passagem de volta e o desespero batendo na minha porta, a LCC percebeu o que eu estava fazendo com os filhos dela, como eu ajudava sem ela nem ter pedido, como eles gostavam de mim (iam no meu quarto pedir pra brincar), e resolveu ajudar! 

Mudou da água para o vinho! Ligou para todas LCCs que ela conhecia, mandou e-mails, conversou com famílias. E então nós últimos minutos do segundo tempo eu tive meu match!

Devo dizer que esse empurrãozinho que ela deu no final foi o que me ajudou, por que o fluxo estava terrível! 

Mas não vou dizer que foi um bom suporte no geral! Para mim, ela deveria olhar a situação num todo e não tomar partido pela experiência que ela viveu. 

Au pairs são diferentes, famílias são diferentes. Meu match não teve nada a ver com a questão de eu gostar da minha primeira família, e ainda assim era só o que ela via! 

Rematch é um momento muito delicado e estressante para a au pair, como eu disse no post anterior, não desejo para ninguém! Então a LCC deveria sim dar o suporte adequado! 

Espero que vocês tenham mais  sorte com a LCC de vocês!
Beijo,
Paula Moro
Share:

quinta-feira, julho 19, 2018

Minha rotina como Au Pair.

Hey! 

Depois de quase 2 meses como au pair aqui na Holanda, eu finalmente vou contar para vocês de forma mais detalhada como funciona minha rotina de Au Pair. Let's go?

Eu moro em Zwolle, uma cidade que fica quase 2 horas de Amsterdam. Por ser uma cidade pequena não tem muito o que fazer por aqui, então eu estou sempre indo ao cinema. Chego ir ao cinema 2x por dia. Risos! Aqui na casa é uma ''single mom'' e duas kids: um menino de 11 anos e uma menina de 10 anos. 



  

Eu tenho um schedule bem flexível e nem sempre durante a semana eu estou com as kids. A minha ''host mom'' é enfermeira e ela trabalha nos schedules:

A: 7h-15:30
C: 15h - 23:30
D: 23h-7h30

Parece até um pouco complicado no começo (confesso que demorei duas semanas para entender), mas no final é super tranquilo... E o que sigfinica esses horários pra você, Gabi?

Vamos lá, quando minha host está trabalhando no A, eu preciso acordar as crianças, preparar o café da manhã, preparar a lunch box das kids e levá-los para a escola que começa às 8h30. Eu volto pra casa, limpo a bagunça do café da manhã, tomo o meu café da manhã tranquilamente e fico off para fazer o que quiser até às 14h quando vou buscá-los na escola. Quando eles estão em casa, eu vejo se eles comeram todo o lunch box e só depois eles podem comer algum candy/snack. E o jantar a minha host mom faz porque ela está em casa.

Schedule C: Eu não preciso levar as kids pra escola, apenas buscá-los. Então eu durmo até a hora que eu quiser e faço as minhas coisas até às 14h para pegar as kids na escola. Quando o schedule é C, siginifica que eu preciso fazer o jantar, e aqui em casa nós assinamos a Hello Fresh (são receitas que chegam em uma caixa e você só segue o passo a passo). Preciso brincar com as kids? Só quando eu estou afim. Risos! É que eles já são grandes e querem fazer suas próprias coisas... então eu só fico de olho para ter certeza que estão bem.

Schedule D: Significa que estou off o dia inteiro. Eu só preciso lembrar de não ter nenhum compromisso a noite, pois, preciso estar em casa quando a host estiver trabalhando. E os dias que a minha ''host mom'' está off eu também fico off. Tenho bastante dias off, porém, depende muito do schedule da minha host... posso não trabalhar durante a semana e precisar trabalhar no final de semana.

Em relação a arrumação da casa: passar um aspirador na sala e esvaziar a lava louça, mas, é algo que a host também faz quando está em casa, tudo é bem dividido (thanks god!).

No geral tudo é bem tranquilo, não tenho grandes problemas com as kids pois eles sabem que sou bem ''general''. (algo que podemos conversar num próximo post?).

Fiz esse post pra contar pra vocês como funciona mais ou menos o dia a dia de uma au pair. Mas se vocês ainda tiverem alguma dúvida, ou mesmo alguma curiosidade sobre morar com uma ''single mom'' podem me mandar um e-mail, ou comenta aqui no post que a gente conversa.

Mês que vem o tema do post será ''Férias de verão com a HF'' Sonho ou pesadelo

Beijos, até o próximo dia 19!

IG: iamgabbymuniz
Email: gabinagringablog@gmail.com







Share:

quarta-feira, julho 18, 2018

Você faz realmente parte da família?

Olá pessoal!
Como vão?

Com a decisão de se tornar au pair, deixamos para trás não só nosso país e cidade, mas sim toda nossa rotina, maioria dos nossos pertences, amigos e o mais difícil, nossa família.



Viver num país diferente não é tarefa fácil, e boa parte das agências e host families durante as entrevistas mencionam que querem que você faça parte da família. Mas isso acontece mesmo?

Vou contar um pouquinho sobre como foi comigo em relação a "ser parte da família".

Como já mencionei em outros posts, minha host family é britânica e mora no EUA há apenas 5 anos. Isso fez com que eles soubessem como é estar na minha situação de estrangeira vivendo e trabalhando sob regras e culturas diferentes.

Por eles (hostos) não terem as próprias famílias por perto, eles sabem a importância de ter amigos próximos e que te amparem na maioria das situações. E eles propocionaram o mesmo para mim: foram muito bons amigos e me deram o maior suporte em tudo o que precisei, desde comida, roupas e língua.

Mas isso quer dizer que fiz parte da família? 



NÃO. 

Por mais que a família goste muito da au pair, as prioridades deles sempre serão relacionadas a eles próprios ou com quem conhecem a mais tempo. Por exemplo, minha host family ia viajar para casa de amigos e pelo fato dos amigos não serem muito abertos comigo, a host family não me levou (com a desculpa, ou talvez verdade de que não cabia no carro junto com as kids, cachorro e todas tralhas que levaram).

Quem te considera como parte da família faria isso? Talvez. Mas sei que minha própria família do Brasil não faria.

Vejam bem, não estou falando que eles sempre me deixavam de fora, muito pelo contrário, eles sempre me convidavam para sair com eles, comer fora, passear, tomar vinho a noite com eles e tudo mais. Mas eu não acho que seja parte da família.

Bom, como falei, isso é apenas o MEU ponto de vista. Sei que cada host family é de um jeito, tem boas e tem ruins, mas também sei que família é só uma: a nossa!

Beijos!
Share:

terça-feira, julho 17, 2018

Quando a host family tem alguma restrição alimentar

Oi gente
Tudo bem com vocês?!

Bom, hoje eu vou falar um pouco sobre um aspecto importante antes de fechar o match com a host family: saber se os pais ou as crianças tem alguma alergia, ou limitação, se seguem alguma dieta específica ou se fazem uso de medicação. Esse tipo de informação é fundamental pois muitas vezes pode afetar a sua rotina e até a sua alimentação, como é o meu caso aqui.

A minha host mom e as minhas duas host kids tem a doença celíaca. Pra quem não sabe, esta é uma doença crônica, autoimune, causada pela intolerância ao glúten, proteína encontrada no trigo e em outros cereais. Ou seja, nada de pizza, bolos, pães, biscoitos e etc, ao menos não nas versões tradicionais, já que aqui nos EUA tem bastante opção “gluten-free” e muitas vezes eu nem sinto diferença de gosto.

Bem, uma das meninas é mais sensível e passa muito mal (diarreia, vômito, mal estar) se ingere qualquer alimento que contenha o glúten então existe sempre uma preocupação grande em relação a isso, além da restrição de lugares que podemos frequentar. Importante ressaltar que há o risco de contaminação cruzada então a minha host family optou por não ter comida com glúten em casa e isso, é claro, vale pra mim também.



Eu já me acostumei com a alimentação aqui e pra ser sincera, não sinto tanta diferença nos alimentos. Claro que existem comidas que eu gostaria de poder comer aqui na minha casa, como por exemplo a maravilhosa stuffed pizza de Chicago (risos) mas nada me impede de ir até a pizzaria pessoalmente (o problema mesmo é quando sobra a pizza e eu não posso trazer hahaha).


A tradicional pizza de Chicago <3


No entanto isso é algo que eu sabia que aconteceria antes de vir, conversei bastante com a família sobre isso e me adaptei bem a dieta deles desde que cheguei aqui. 

Não deixei de fechar o match por causa dessa limitação, pois é algo que tem sido relativamente tranquilo pra mim (reconheço que as vezes é bem chato, mas penso que para elas deve ser mais ainda). 

Mas falando de modo geral, é sempre importante perguntar sobre tudo pra host family e conseguir o máximo de informações sobre a vida, rotina e dieta deles pra não ter surpresas ou dificuldades além das que já fazem parte do dia-a-dia de qualquer au pair! hehe

E lembrem-se informação nunca é demais, ainda mais quando se trata de saúde e alimentação!


Um beijo gente e venham provar a pizza de Chicago! ;) 
Val
Share:

domingo, julho 15, 2018

SUÉCIA | Feriados nacionais de 2018

Boa tarde!!

Esse é um post rápido pra compartilhar com vocês o calendário sueco de 2018. A Suécia assim como o Brasil também tem bastantes feriados nacionais, mas eles acabam agora e daqui pra frente é só esperar pelo natal. Sentirei saudades dos feriados quase que mensais "haha".
 Fonte: Time and date

Vou esclarecer algumas datas pra vocês, pois não eram claras pra mim. Vamos lá.

6 de janeiro: Epiphany day é uma data religiosa católica que celebra dois momentos da vida de Cristo. O primeiro momento é quando os três reis magos visitam Jesus e o segundo, quando Jesus é batizado por João Batista.

30 de março: Good Friday é o equivalente a Sexta-feira santa no Brasil, referente a paixão de Cristo.

20 de maio: Whit Sunday é equivalente ao Pentecostes que nós católicos celebramos.

23 de junho: Midsummer é um dos feriados mais importantes da Suécia, depois do natal. É o dia de celebrar o dia mais longo do ano (o sol quase ou nunca se põe), pois depois dessa data a noite cairá mais e mais cedo. Marca também o início das férias escolares e celebra a natureza. 

26 de dezembro: Boxing day é o dia em que o comércio coloca muitos produtos em promoção. Seria o black Friday sueco.

Curiosidade: Vocês notaram que o dia das mães e o dia dos pais são celebrados na Suécia em datas completamente diferentes a que celebramos no Brasil?

Espero que tenham gostado do post de hoje e que esse calendário seja de alguma forma útil pra você ou pelo menos interessante.

Vi ses! (até mais em sueco)
Por Valeska Monteiro
E-mail: vikingbrasileira@gmail.com
Share:

quarta-feira, julho 11, 2018

Eu sou mesmo uma au pair?

Olá pessoal, tudo certo por aí? Por aqui tudo ensolarado. Bom, que todos nós por aqui queremos fazer um intercâmbio não é novidade, mas será que todos nós queremos mesmo ser au pair? Há uma diferença bem grande aí, e é sobre isso o post de hoje.


Acho que o sonho de todo mundo que pensa em ser/é au pair, é viver a incrível experiência de morar fora. O au pair realmente te proporciona isso e muito mais, porém existe um monte de outras coisas não tão boas ou agradáveis assim inclusas nesse pacote. Coisas que nós as vezes deixamos de considerar por causa da euforia de ir embora logo.

Muita gente cresce ouvindo as pessoas ao redor dizendo que leva jeito com criança e acaba criando essa “falsa verdade” na cabeça, vira au pair e detesta a experiência. Isso acontece porque gostar de crianças, levar jeito nas poucas horas que passa com crianças é uma coisa, bem diferente de cuidar de crianças todos os dias, o dia todo, como profissão e não como "hobby".

Algumas pessoas acham que é muito fácil ser au pair, que é só brincar um pouco com as crianças e pronto, que mesmo que você não goste tanto assim de criança, vale a pena por tudo que o intercâmbio pode nos proporcionar e as vezes a vontade de morar fora é tão grande e as possibilidades nem tanto, que não pensamos duas vezes, e quando nos damos conta já estamos no avião, rumo a vida de au pair. 

Para mim, ser au pair foi a melhor experiência da vida, eu amei tudo! Amava minhas crianças, aliás amo até hoje, amava minha casa, meus hosts, meu trabalho, minha vidinha... Adorava passar meu tempo (mesmo livre) com minhas kids, aprendendo e ensinando. Mas não se enganem galera, esse intercâmbio não é para todos. É preciso ter muita energia, força, criatividade,  coragem, doçura e pulso firme ao mesmo tempo, ser flexível, adorar crianças, etc. 

Au pair é muuuuito mais do férias na Disney com tudo pago pela host family. Não pense que você vai sobreviver a algo que não gosta, aguentar tudo por conta dos pontos positivos do programa, e sair ileso, sem frustração alguma. Existem várias possibilidades de intercâmbio, o au pair é só uma delas, então antes de escolherem pelo custo benefício, pensem muito e reflitam se esse é realmente o intercâmbio certo para vocês, e se for, se joguem e divirtam-se! Até mês que vem galera. Tot straks, kusjes.
Share:

terça-feira, julho 10, 2018

7 das decisões mais sérias que você toma quando entra no universo au pair

Um intercâmbio, independente da duração, é capaz de influenciar várias decisões em nossas vidas. E optar pelo au pair não é diferente, na verdade, pode ser até mais intenso...



Entrar no universo au pair transforma a vida de qualquer um em poucos meses. Uma decisão aqui, outra ali, e você já não é mais a mesma pessoa que costumava ser.

Com base na minha experiência e no relato de algumas amigas, eu notei um padrão de sérias escolhas que a gente faz já no começo desse intercâmbio.

Quer entender melhor? Conheça abaixo 7 das decisões mais sérias que a gente toma quando entra no universo au pair:

1 – Foco no idioma!


Se comunicar em outro idioma não é fácil. Logo, você pode acabar decidindo se esforçar mais para alcançar fluência e evitar perrengues pela frente!

2 – O importante é ter saúde...


Boa alimentação e exercícios físicos podem entrar na sua lista de prioridades já que a mudança de país é capaz de te deixar insatisfeita com o seu corpo ou até doente.

3 – Ai vida amorosa!


Manter um relacionamento à distância? Se jogar em uma nova aventura? Curtir um momento consigo mesma?


Com um mix de emoções, você escolhe uma opção para a sua vida amorosa mais rápido do que imagina!

4 – O destino do dinheiro...


E aí, gastar, viajar ou juntar uma grana? Essa é uma das decisões mais sérias que você acaba tomando até antes do seu ano de au pair começar.

5 – Na minha casa? Ah vai ser bem diferente!


Morando com a host family você começa a observar tudo e imaginar como você quer que seja a sua futura casa e rotina, incluindo um tema bem importante:

6 – Filhos...


Ser au pair pode te influenciar a descobrir seriamente se você deseja ter filhos ou não, seja num futuro próximo ou distante.

7 – Próximos desafios!


E aí, após o ano de au pair? Qual rumo devo tomar? Essa pergunta pode te rondar já nos primeiros meses.

Mas fica tranquila...

Com esforço e tempo você vai decidindo seus próximos passos. Afinal, as nossas experiências vão moldando o nosso futuro, certo?

Se você tiver alguma opinião ou mais tópicos para acrescentar sobre esse assunto, fique à vontade para deixar o seu comentário logo abaixo 😊

Um beijo e até mês que vem!
Share:

quinta-feira, julho 05, 2018

Au pair, frustrações, sonhos e a realização deles.


  

   Olá pessoal, tudo bem?

Bem, hoje gostaria de bater um papo sobre sonhos. Fiquem calmos, que não vou analisar o sonho de ninguém não! Vamos conversar sobre sonhos daqueles que a gente fica “matutando” na mente, sabe?! Matutando às vezes desde criança!

Como uma boa “au pair Alice” eu fui para o meu ano de intercâmbio com o meu ano todo idealizado. Vou para o programa, vou ser a irmã mais velha, depois de um tempo tiro férias em um cruzeiro e depois adivinhem?! DISNEY! Deixei a Disney por último, pois queria passar a virada de ano lá! 

Cheguei nos EUA e, primeiro mês, BUM rematch, segundo mês, BUM rematch de novo! De repente vi todos os meus sonhos escapando por entre os dedos.  Consegui uma 3ª família e ali fiquei um tempo, já com mais pé no chão.

Um tempo depois, comecei a programar a semana perfeita para um cruzeiro nas Bahamas com uma amiga. Ainda não era o meu sonho de viagem,  mas como não tinha o valor suficiente para a Disney, por quê não um cruzeirinho, não é mesmo? Bahamas foi maravilhoso, porém, 2 semanas antes da viagem tive uma surpresa: BUM!! Isso mesmo, rematch!! Quem não sabe a historia, contei tudo aqui no blog! Use a tag #juliapsico que você encontra todos os posts)! Foi sim uma ótima despedida, mas por alguma razão, fui embora com a certeza de que meu sonho de criança jamais se realizaria, e que eu não teria outra chance de ir para a “minha” Disney”.

Ver o aeroporto de Atlanta (aonde fiz escala) ficando pequenininho foi doloroso, e meu coração parecia estar ficando cada vez mais apertadinho também! Como despedidas são difíceis! Seria aquele um tchau eterno?

Nada é para sempre (4 anos depois)...Voltei dos EUA, comecei a trabalhar aqui no Brasil e adquiri o hábito de poupar, poupar e poupar. Eu queria viajar, mas achava Disney muito caro e muito distante da minha realidade, porém conhecem aquele ditado “de grão em grão a galinha enche o papo”? Pois é, um belo dia meus melhores amigos estavam planejando uma viagem em família para a disney e através deles veio o convite! Somos amigos de infância, praticamente irmãos, então, por quê não?      Eu achei que jamais realizaria o meu sonho de ir para a Disney, até que  em maio/2014 não só fui para a Disney, como fui acompanhada dos meus melhores amigos, irmãos, e parceiros de sonhos!
                     
Eu não consigo descrever o que senti quando pousei em solo americano novamente, e muito menos quando vi aquele castelo maravilhoso. Ao ver os personagens? Nem se fala! E quando vi a Bella? Meu queixo literalmente caiu! (sim, eu tenho uma princesa favorita e entrei na fila com as crianças para tirar foto com ela hahaha). Impressionante como aquele lugar consegue transformar sonhos em realidade e a vontade é morar naquele mundo de fantasia!
                   

Bem gente, voltando ao mundo real, pois não só de Disney vive a Júlia, sonhos todos nós temos, mas precisamos correr atrás para que eles aconteçam. Não sou adepta do “sonhar por sonhar” e procuro não ser mais tão sonhadora (não se pode mudar totalmente a nossa essência, né, mas posso mudar a forma de lidar com ela, né)?!  

Você tem um sonho? Então vamos lá, papel e caneta na mão: sonha em ser au pair, morar fora, mudar seu visto, cursar uma faculdade? Corra atrás, pesquise, crie metas, etapas, passo a passo para a conquista deles e torne isso possível, analise as possibilidades, converse com quem chegou lá e principalmente, torne isso possível!!

Por hoje é isso, pessoal!


Júlia B. Benedini

Share:

quarta-feira, julho 04, 2018

5 apps que você vai precisar na China



Google? Pode esquecer! Vou te dar uma lista mágica com os 5 apps que vão te salvar quando você estiver na terra do dragão.

Uma das coisas que mais me perguntam é o que é VPN e para que precisamos dele na China. Então, cá estou eu para explicar.

Sites como Google, Insta, Facebook e Netflix são bloqueados na China. Para conseguir acessar, você precisa de um VPN. Ele funciona mudando a sua localização enquanto você navega. Você pode selecionar um país para logar e, assim que estabelecer a conexão, vai poder abrir os sites normalmente. Eu, por exemplo, logava no Canadá sempre que queria assistir vídeos no YouTube ou conversar com alguém no Whatsapp.

Mas, entretanto, porém, ficar com o VPN ligado o tempo todo consome muitos dados e não é nada prático. Além disso, deixa a sua internet ainda mais devagar. Por isso, a melhor saída é usar os apps chineses. Então, para facilitar a sua vida, vou falar de 5 apps que vão te salvar por lá:

WeChat: Pode não parecer, mas esse app vai ser o seu melhor amigo na China. Ele é a versão chinesa do Whatsapp, mas é ainda mais completo e mágico. Você consegue pedir táxi, comprar passagens de avião, pegar bicicletas na rua, pagar suas compras, conversar e compartilhar momentos... tudo com um app. Essa vai ser a melhor coisa que você vai experimentar (sem exagero!). Então, se você planeja ir pra China, comece fazendo o download desse santo app.

Pleco: Se você já sabe algumas frases e quer começar a socializar, esse é o seu melhor amigo. Nesse app, você digita a palavra em inglês e ele te mostra como falar em chinês. Ele também mostra o caractere, então ajuda até na hora de escrever.

Youdao Translate: Essa é a versão chinesa do Google tradutor. Com essa belezinha, você consegue conversar com os chineses e, na hora do desespero, vai conseguir se localizar e encontrar o que precisa.

Explore Beijing: Eu coloquei Beijing porque é onde eu vivo, mas tem um explore (insira aqui o nome do lugar) para todos os cantos da China. Esse app é um map do metrô. Com ele, você vai conseguir localizar as estações, ver como chegar até os lugares que precisa e até pegar as direções mais rápidas para atravessar as cidades. É muito bom!

Xiami Music: Existe Spotify na China, mas ele não é tão prático e como o Xiami. Esse app tem todas as músicas que você pode imaginar – sim, até brasileiras. Já rodei a cidade ouvindo Mallu Magalhães <3 – e ele é bem mais leve que o Spotify. Vale muito a pena baixar!

Bônus: Mobike, Ofo ou qualquer app de bikes: Na China, andar de bicicletas é muito comum. Sabe as bikes do Itaú? Pense maior, pense melhor haha Então, pode se preparar para baixar os apps das marcas mais famosas por lá e aproveitar. Tem bikes espalhadas por todos os lugares e elas são acessíveis. Andar com elas é ainda mais barato que os ônibus. E mais legal para conhecer os lugares também (:

DICA: Ahhh, uma dica amiga: instale pelo menos 3 VPNs antes de sair do Brasil (ou do país em que estiver). Baixar na China é uma tarefa beeem chata e, às vezes, impossível.

E por hoje é só. Um beijo e até agosto!
Share:

domingo, julho 01, 2018

Como já consegui viajar para 9 países em 6 meses de intercambio.


Oi gente linda, tudo bem?
Eu espero que sim!

Pra quem não me conhece, meu nome é Daiani e há seis meses sou Au Pair na Holanda.

Desde que estava buscando pelas possíveis opções de intercambio, meu foco sempre foi vir à Europa, pela facilidade em viajar para diversos países que esse continente nos proporciona. 

Não que o "número de países" viajados seja o que importa, mas sim a quantidade de culturas, línguas, costumes, gastronomia, arquitetura e história que podemos encontrar em cada diferente "terra" em que passamos. 

Pra mim, isso - esse contato com tanta diversidade - é o que conta mais do que a quantidade de carimbos no meu passaporte. Por isso que meu objetivo número 1 durante meu intercambio de Au Pair é poder conhecer (ainda que minimamente) o máximo que puder.

Porém, entretanto, todavia... como fazer isso ganhando esse nosso "exuberante" salário de 340 euros/mês? Pois te digo que é possível. Com muito sacrifício e umas doses de paranauês a gente dá um jeitinho. 

Desde que cheguei já consegui visitar 9 países: Bélgica, Inglaterra, França, Escócia, Alemanha, Áustria, Liechtenstein, Suíça e Dinamarca e no próximo mês estarei viajando para o 10º - Itália. E claro, tenho uma listinha para os próximos seis meses :)

A primeira coisa que nós, Au Pairs na Holanda (e qualquer outro ser humano desprovido de riqueza haha), precisamos é foco. Tudo depende dos seus seus objetivos e interesses, é claro. Eu não consigo, por exemplo, ir para o shopping fazer compras, sair com as amigas para baladas no fim de semana e ainda viajar mundo a fora com meu pocket money de Au Pair. Infelizmente temos que fazer opções. 

Para viajar, abro mão de muita balada e muita blusinha, porém isso não quer dizer que eu nunca faça compras, ou nunca curta a night. Faço tudo isso, porém com menos frequência do que gostaria rs. 

Procuro separar meu salário em partes, e destinar cada parte a um objetivo (X para viagem, X para balada e X para compras). Além de economizar meu salário, eu vivo muito ligada em promoções de passagens, sejam elas de trem, ônibus ou avião. 

Também costumo fazer viagens "bate-e-volta", daquelas que você sai na sexta e volta no domingo. Dessa forma se economiza com hospedagem e aproveitamos o findi em um lugar bem diferente, já que na Europa, você dá um pulinho e já está em outro país.

Vou listar algumas dicas que costumam funcionar pra mim, e espero que ajude a quem estiver pensando em vir pra cá (ou já esteja aqui) com o mesmo objetivo que eu.

SKYSCANNER (aplicativo ou site): indicado para viagens de avião, que nem sempre é a opção mais barata, porém a mais rápida. Também não é uma fortuna, pois há inúmeras cias low cost espalhadas por aqui. E pelo app é possível rastrear os destinos por preço. Digo, você apenas escolhe o aeroporto de saída e clica em "qualquer destino" e o aplicativo lhe mostra as melhores ofertas ordenas por preço (por toda a Europa e até além). É possível encontrar passagens por 15 euros o trecho. Por exemplo Amsterdam - Paris por 30 euros ida e volta (isso é mais barato que ônibus).

FLIXBUS: acredito que seja a maior companhia (ou a mais conhecida) de ônibus, que cobre praticamente toda a Europa. Você busca passagens pelo app ou pelo site, e eles frequentemente tem promoções. Recentemente comprei Berlim e Copenhagen por 12 euros cada (ida e volta!!). É o jeito mais barato (porém não o mais confortável ou mais rápido) de se viajar por aqui. Já fiz tanto viagens de 4h, como de 13h. Ótimo para trips de final de semana. 

GOEURO (aplicativo ou site): rastreador de de passagens de trens, ônibus e avião. Você busca por um destino e ele mostra as três opções de passagens (de diversas companhias).

GOOGLE VOOS (site): quando já tenho definido que vou viajar de avião, prefiro procurar pelo google voos, que mostra através de um calendário quais são os dias com as passagens mais baratas de todas (ou quase todas) as companhias aéreas disponíveis.

PM2AM: a Pm2Am é uma empresa que proporciona viagens chamadas "student trips", porém não é destinada a apenas estudantes, e sim ao público em geral. Acredito que tenha recebido esse nome, pelo preço "camarada" oferecido pelas viagens, muitas vezes procurado por jovens e estudantes. Geralmente são viagens de final de semana ou feriados, de curta duração - máximo 3 dias - para vários destinos na Europa, principalmente para as capitais e/ou cidades mais importantes de cada país. As viagens são em ônibus, e até que são bem confortáveis. Fui para a Áustria com eles, foi 12h de ida e 12h de volta e cheguei inteira rs. A vantagem é que eles são responsáveis pelo roteiro, e muitas vezes oferecem uma trip mais em conta do que uma cia de ônibus normal. Para mais informações, é só checar a pagina deles no Facebook, onde oferecerem todas as viagens.

AEROPORTOS OPCIONAIS: o aeroporto mais próximo pra mim é Amsterdam. Porém também é muitas vezes a origem mais cara. Vale muito pesquisar por outros aeroportos, que sejam próximos, por exemplo Eindhoven (outra cidade aqui da Holanda com aeroporto), ou mesmo saídas de aeroportos de países próximos. Por exemplo, na minha próxima viagem, minha saída é do Aeroporto de Bruxelas, na Bélgica, que estava com uma promoção incrível, muito mais barata que Amsterdam. Nesse caso compensa pegar um ônibus e ir até Bruxelas, e de lá pegar o voo.

Esse foi o post de hoje gente, espero que tenha contribuído com os futuros planos de viagens de vocês :)

Vejo vocês no próximo dia 01!

Beijinhos
Insta: daianitobaldini
Share:

Follow by Email