01/12/18 ~ O Blog das 30 Au Pairs

Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

Sorteio

Tudo que você precisa para dar aquele up no seu processo de au pair. Participe do nosso sorteio!

Au Pair na Europa

Você tem mais que 26 anos? Não tem CNH? É casada ou tem filhos? Ou também não tem como comprovar sua experiência com crianças? Talvez fazer o programa de Au Pair na Europa seja uma boa alternativa pra você.

Agências para os Estados Unidos

Tudo sobre diversas agências que fazem o programa de Au Pair para os Estados Unidos.

sábado, dezembro 29, 2018

Sobre a Idade das Crianças

Se tem alguém aí na dúvida sobre as idades das crianças e quais dariam mais certo com você, aqui vai uma breve comparação das principais diferenças:



Bebês

Cuidar de bebês é relativamente fácil: eles comem, dormem, brincam um pouquinho e dormem de novo.
Bebês que recebem carinho e atenção são só sorrisos e é muito agradável passar tempo com eles. Além disso você controla 100% o que faz com eles: pode passar o dia em casa, passar a tarde no shopping, no parque, no supermercado...que eles não fazem ideia.
Desvantagens:
Quando eles choram você nem sempre sabe o por que, e às vezes vão horas até descobrir o problema. Também sujam muitas fraldas por dia rs.
Ah, e cada vez que você sai com o bebê tem que carregar a casa junto: fraldas, roupinha extra, mamadeira, brinquedos, etc.

Toddlers (1 a 3 anos)

Os toddles são as crianças que já sabem andar mas ainda não falam. São os melhores! Se entretém com qualquer coisa, gostam de andar, são muito curiosos e fofos!
Desvantagens:
Quando eles aprendem a falar "não", tudo é "não". Não pra comida, não pra roupa, não pra você, não para tudo e para todos. E tem dias que isso cansa!



Crianças entre 4 e 7 anos

Eu tenho um problema sério com essa idade. Embora já consigam se comunicar muito bem e sejam independentes para irem ao banheiro sozinhos, comer e tomar banho sem ajuda, a lista de desvantagens dessa idade, pra mim, é a maior:

Fazem muitas perguntas, argumentam tudo, negociam, falam demais, querem demais, e quando você fala NÃO...resmungam ou choram igual bebês.
São emocionalmente imaturos, mentirosos e as vezes ate manipuladores rsrs. Juro, não digo que eles sejam pessoinhas más, de maneira alguma! Mas acho que é a fase de testar o mundo e poder usar habilidades como, por exemplo, a de comunicar bem.

Acima de 8 anos e adolescentes

Esses são "piece of cake". Fácil fácil!
Não fazem muita questão da sua presença, já sabem fazer tudo sozinhos e curtem trocar ideias sobre o que estão aprendendo na escola, sobre esportes e qualquer outra coisa que seja de seu interesse.
Desvantagens:
Ajudar na tarefa de matemática! rs.
Para quem gosta de ser mais ativa essa idade pode não ser e a melhor opção. Na verdade você pode até ficar entediada com essas crianças pois vai passar muito tempo sem fazer nada.

E é isso...

Todas as idades tem suas vantagens e desvantagens, mas no final das contas crianças podem ser engraçadas, amorosas, e terríveis ao mesmo tempo, em qualquer idade.

Feliz Ano Novo gente!! Vejo vocês em 2019!:)

Ban

Insta: @banzsposito

Share:

sexta-feira, dezembro 28, 2018

Supercombo de hoje: Au Pair + Cidadania na Itália!

Depois do último post, sobre a minha experiência com uma família famosa na Itália, recebi algumas mensagens para que eu contasse mais sobre minha experiência como Au Pair nesse país que me conquistou de todas as maneiras possíveis! 
E para aproveitar, vou falar também sobre a possibilidade de tirar a cidadania no programa de Au pair!



Sobre o programa de Au Pair na Itália

Infelizmente eles não possuem um programa oficial de Au Pair, como na Alemanha, Holanda, etc. Por isso as opções seriam ficar até três meses com o visto de turista, ou ficar mais de três meses com o visto de estudante ou, se você tem direito a cidadania italiana, iniciar o processo lá e ficar o quanto quiser depois. 😆

Por não existir um programa oficial, também não existem regras oficiais sobre os horários de trabalho, salário ou direito ao curso de italiano, então é melhor negociar e acertar tudo isso direitinho antes de sair do Brasil. 

No meu caso, como eu já tinha trabalhado na Alemanha e Luxemburgo antes, com o curso de língua incluso e um salário mínimo (350 EUR), pedi isso como base, e também negociei para que eles pagassem a metade das passagens de avião. 
Pelos horários sempre me baseei no site Au Pair World:  (https://www.aupairworld.com/en/au_pair_program/italy/au_pair), e no caso da Itália, seria um máximo de 30 horas semanais, não mais que 6 horas ao dia, e ao menos um dia livre por semana (uma vez ao mês deve ser ao domingo).
Maaaas, como eu já escrevi no meu post anterior, a minha família tinha necessidades diferentes e acabei trabalhando bem mais que isso. 

Aliás, isso é uma coisa para se tomar cuidado na Itália, porque algumas host families não tem muita noção do que realmente é o programa de Au Pair e acabam achando que você é uma babá disponível 24 horas por dia. Já ouvi muitas meninas reclamando disso, especialmente por lá. Se possível, também deixe claro como será a sua rotina e suas obrigações por lá, para evitar qualquer tipo de desentendimento depois.

Idioma

Conheço muitas famílias na Itália que pedem inglês fluente para falar com as crianças e muitas já estão acostumadas a isso. No meu caso, apesar da mãe ter pedido o inglês, as crianças não falavam nada, e por isso foi bem difícil a princípio porque eu também não sabia italiano. Com dois meses já me virava e consegui conectar com elas em italiano, mas de vez em quando tentava dar uma pincelada no inglês. 

Seguro-viagem e saúde

Para ir como turista, é sempre bom pagar algum seguro-viagem, assim você fica tranquila(o) no tempo que ficar por lá. Você pode negociar isso com a família também, porque normalmente eles também são os responsáveis por isso. 


Para estudantes e para quem entra com o processo de cidadania, ou seja, que tem a residência na Itália, você conta com o serviço publico de saúde, que apesar de não ser uma referência de excelência, já ajuda muito, e é o serviço que os italianos têm por lá.

Passagens de avião para a Itália

Eu normalmente compro as minhas pela Decolar ou Skyscanner, e compro com antecedência para garantir os melhores preços. Recomendo a LATAM, TAP, KLM, Air France e não recomendo Air Europa ou Condor (nenhuma comodidade e custos extras pelas bagagens), entre àquelas que e já voei. 

Para quem vai ficar um tempo mais longo e não consegue comprar a volta com tanta antecedência, talvez compense pagar uma taxa extra para poder modificar a passagem posteriormente, ou comprar com a possibilidade de cancelamento.

Eu tenho direito à cidadania italiana?

Se você tem algum ancestral italiano, pais, avós, bisavós, tataravós, e não sei o que vai além disso, você tem sim! Portanto, pode requerer a cidadania de qualquer lugar, se possuir toda a documentação que comprove a sua origem na terra da pizza.

Existe apenas um porém nessa história: se na linha do ancestral italiano até você existir uma mulher italiana que tenha tido filhos antes de 1948, legalmente você perde esse direito (por causa uma lei machista idiota). Aí penso que seja possível entrar judicialmente nesse caso, mas como eu felizmente não tive esse problema, não saberia explicar o que fazer.

O meu processo de cidadania foi em Gênova e durou cerca de 3 meses.

Para explicar o passo-a-passo de como consegui a cidadania fiz esse álbum na minha página Diário de Au Pair no Facebook: Série Cidadania Italiana.


Qualquer dúvida deixe aqui nos comentários! ;)

Desejo a toda(o)s a(o)s leitores do site um 2019 incrível e de muitas boas histórias pra contar!

Share:

segunda-feira, dezembro 24, 2018

Então é Natal...







... e o quê você fez? Brincadeira. Não vim cantar a música da Simone. Vim contar como foram as minhas noites e dias de Natal nos Estados Unidos.


“Neve caindo lá fora, a gente de suéter natalino na frente da lareira do lado de dentro.”


Mas é aí que você se engana. Passei dois natais com a minha host family e ambos não foram nada convencionais.


Em 2015, nosso voo para a Califórnia estava marcado para a tarde do dia 23/12. Chegaríamos na casa do irmão do meu host a noite, onde ficaríamos até o ano novo.



Quando, no meio do caminho, recebemos a notícia de que nosso voo saindo se Hartford havia sido cancelado devido à condições climáticas.


Voltamos pra casa e acabamos passando o dia 24/12 em casa mesmo, com um jantar coreano simples, porém delicioso, preparado pelo grandma (mãe do meu host).


Nosso almoço de Natal, no dia 25/12, foi baby carrots e barrinhas de cereal. HAHAHA No carro. A caminho do aeroporto de Newark.


A viagem foi ótima. Aproveitamos muito e eu, obviamente, AMEI conhecer a Califórnia. ❤️
Em 2016, eu e minha melhor amiga decidimos ser voluntárias num evento com crianças carentes, chamado We Are the Children. Meu amigo já participava há algum tempo e me falou sobre o projeto. Me interessei e, na manhã do dia 25/12, estávamos nós três rodeados de pequenos, correndo de um lado pro outro, brincando, dançando e gargalhando.


Os abraços, beijos e sorrisos compartilhados ali aqueceram meu coração.


Frio. Porém nada de neve. ⛄️


Cheguei em casa a tempo de almoçar, celebrar e trocar presentes com a família. 🎁


Dois anos. Dois natais. Nada comuns. E eu amei!


Que o Natal de vocês seja tão incrível - e por quê não diferente? - quanto foram os meus!🎄
Share:

quinta-feira, dezembro 20, 2018

Você já pensou em ser au pair na França?

Coucou, ça vá? 

Esse mês vou mudar um pouco a natureza do post, porque tem algumas pessoas vindo me procurar com dúvidas sobre o Au Pair na França, ou na Europa em geral, que pensava que só existia as opções EUA ou Holanda, então queria falar mais sobre as diferenças entre os programas a partir da minha experiência na França.

r

E aí, vamos trocar uma ideia? 

Se você que não tem habilitação,  tem inglês muito básico e  passou a vida cuidando do priminho, mas tem um total de 0 (zero) experiência formal com crianças e muita pressa em viver a experiência do au pair, já considerou alternativas à vida de LCCs e dos video applications? Pois bem, eu te apresento o programa de Au Pair na França.

Diferente do que muitos pensam, o programa na França não é essa bagunça e insegurança toda pela falta do suporte das agências*. O governo regulamenta tudo e a burocracia é tão grande tanto para as famílias, quanto para as futuras au pairs que você tem aporte real, mesmo sem agência. 

Ao fim, acaba que o fator que deixa muitas futuras au pairs com o pé atrás em relação à Europa é (talvez) o que lhes dá mais autonomia sobre seu próprio intercâmbio. 

Nos Estados Unidos, o governo tem mil requisitos e exigências e a agência pode criar seus próprios em cima dos  já existentes, enquanto que pra França, se você quiser começar a procurar família agora, basta fazer o cadastro no AuPairWorld, o principal site de buscas de família para Europa, sem pagar um tostão e sem prazo para ter o match, só bastando ficar atenta aos requisitos do governo. 

Então, se você é mulher ou homem entre 18 e 30 anos, ensino médio completo, solteira/o e sem filhos, que não tenha francês como língua oficial no país onde nasceu (não é o caso do Brasil) e aprovado/cursando/formado em alguma faculdade**, sinta-se encorajada/o para ser au pair na terra do croissaint.

Outro diferencial é que as condições do programa na França também são diversas as dos Estados Unidos, por causa de como é encarado o programa aqui, você será realmente estudante, é isto que estará escrito no seu visa, que é o mesmo que os universitários estrangeiros têm.

Trabalhando "apenas" 30h por semana, mas ganhando menos: 300€-340€ em média, embora as famílias de Paris costumem pagar um pouco mais que isso. O mais legal é que a regra diz que temos 10h semanais de aulas de francês, que devem ser comprovadas caso você vá renovar para um segundo ano (duração máxima do programa). 

E não para por aí! Na França, há certa facilidade em ficar no país após o programa como estudante, já que o visto é o mesmo do au pair e a França oferece ótimas condições para estudantes, mesmo os estrangeiros.

Portanto, se você ficou interessado e deseja saber mais sobre o Au Pair na França (processo de visto, rematch, renovação e impressões para além da burocracia francesa), acompanha as postagens que vai ter mais!

Bisous
À tout à l'heure, mes amies!


(*) Há agências que fazem o processo para a França, mas a maioria esmagadora vem por conta própria.
(**) Basta uma declaração que passou no vestibular, pode ser qualquer faculdade, é mais pra comprovar a condição como estudante.
(***) Após o rematch, há um tempo de 2 semanas de "aviso prévio", mas se você tiver um teto, pode procurar família até achar, sem cancelamento de visto.
Share:

quarta-feira, dezembro 19, 2018

Dora Aventureira na Europa

Oi gente, como vocês estão?! Espero que todos bem! 

Bem-vindos ao último post de 2018! 

2018 sem dúvidas foi um ano de muito aprendizado, aprendi a ser mais paciente, menos ansiosa, me apaixonei algumas vezes (rindo de nervoso), e claro, viajei muuuuito! 


Viajar pela Europa é um sonho para muitas pessoas... seja para conhecer a cidade luz conhecida também como Paris, ver as gôndolas na bela e incrível Veneza ou dar um pulinho no palácio Buckingham em Londres para tomar um chá da tarde com a família real. 

O seu intercâmbio de au pair não é apenas para você cuidar das crianças e ajudar com os afazeres da casa. 
O intercâmbio é para ser uma experiência feliz, cheia de memórias gostosas, com novas amizades e talvez até um amor. O au pair proporciona a você a chance de conhecer novas culturas, novos idiomas, novos lugares e claro a boa e gostosa cerveja gelada no rolê com as amigas (os). 

Em sete meses de intercâmbio conheci 14 países (Bélgica, Austria, Suiça, UK...) e todas essas viagens foram pagas com o bom e velho pocket money. 
Com prioridades e algumas anotações dos seus gastos você percebe que não é difícil se organizar para fazer uma viagem super legal! 

Aqui eu descobri o meu lado Dora Aventureira, risos. Por várias vezes senti medo, mas, não deixei que isso me segurasse. Fui, e fui desbravar o que os meus olhos nunca imaginaram em ver um dia. 


Abaixo vou deixar os sites que mais uso para pesquisar valores de passagens; 

https://pm2amtrips.com/user/listAllActiveTrips.action
https://www.ryanair.com/gb/en/
https://wanderlust-trips.com/tours-from-netherlands/
https://www.raileurope.com/?country_origin=BR
https://www.goeuro.com/


Espero que vocês tenham curtido os posts desse ano, e espero ver vocês ano que vem! Desejo um natal lindo e muito feliz com as pessoas que vocês amam e um 2019 repleto de relizações! 
Desejo também que o medo não segure você, o mundo espera por ti! <3 


Um beijo grande e até o ano que vem! ;)

IG: iamgabbymuniz
Share:

segunda-feira, dezembro 17, 2018

Extensão de 6 meses: é possível sim!

Oi gente,
Tudo bem com vocês? 
No post do mês passado eu compartilhei com vocês a angústia de resolver minha vida no próximo ano. 


O que será que o futuro me reserva?!


Bem, estou online no site da APiA há 34 dias e tive um total de 21 famílias até agora no meu perfil. Lembrando que estou disponível para apenas seis meses. Ouvi muita gente dizendo que é super difícil encontrar família pra seis meses e eu venho aqui dizer que é, sim, possível!! Fiquei bem surpresa, pra ser sincera, pois não achei que teria esse fluxo, ainda mais por ser final de ano.

Eu ainda não encontrei uma família que me faça querer ficar, porque tenho uma série de requisitos dos quais não abro mão, afinal minha vontade de voltar pra casa é bem grande. Então eu só ficarei se achar uma família bem legal num lugar legal, hahaha. E também prefiro somente duas crianças e que sejam mais velhas. Conversei com três famílias até agora: uma queria pra um ano, a outra queria que eu já conhecesse as crianças depois do primeiro skype ( preferi não conversar mais pois já tinha decidido que não queria apesar de aparentemente serem uma ótima host family) e a terceira ( e a única que realmente me faria ficar) simplesmente sumiu do meu perfil. 


A verdade é que ao final do primeiro ano estamos todas cansadas. Por mais maravilhosa que seja sua host family sempre rola um certo desgaste. Muitas optam por continuar com a mesma família e isso é ótimo. Eu já acho que mudar os ares é fundamental pra um recomeço

De qualquer forma é sempre importante lembrar o que você tem em mente, quais são os seus objetivos e a partir daí resolver sua vida. Eu não resolvi a minha mas posso dizer que tô contente de estar online enquanto resolvo o que farei a partir de fevereiro. E o que virá, é incerto. Mas no próximo post já terei isso definido.

E se você tá cogitando ficar apenas seis meses meu conselho é: vá em frente porque tem família sim!  


É isso, mês que vem conto pra vocês!


Um beijo,

Val


Share:

quinta-feira, dezembro 13, 2018

Opções de aulas para Au Pair

Oi gente, como vocês estão? Hoje vou falar de um assunto que muitas pessoas antes de virem como Au Pair ou até logo depois de chegarem tem dúvidas, os cursos que temos pra fazer. Vou exemplificar também um dos cursos que escolhi.

Resultado de imagem para estudar tumblr


As famílias disponibilizam para nós 500 dólares anuais para pagarmos algum curso de nossa escolha. Na Au Pair In America, minha agência, você pode escolher o programa EduCare, onde a bolsa é de 1.000 dólares anuais. Porém, você terá que fazer mais créditos e o pagamento semanal é menor. 

Também pela minha agência, nós temos que contabilizar 6 créditos ou um mínimo de 72h de aula. Só finalizando tudo é que podemos estender para o segundo ano e receber o certificado no final do programa. 

Quando cheguei minha LCC disponibilizou uma lista de universidades e cursos disponíveis para o nosso cluster, assim como uma lista de cursos que podemos realizar em finais de semana. O curso mais fácil de conseguir os créditos e que a maioria das Au Pairs escolhem é o ESL.

ESL é o English as Second Language. Para esse curso é realizada uma prova para poder ver em qual nível você melhor se enquadra. Apesar de muita gente dizer que as aulas são fracas, já ouvi bom relatos sobre essas aulas e como elas podem te ajudar logo no início se o seu nível de inglês é mais básico.

Eu não escolhi fazer o ESL porque fiz aulas de inglês por tanto tempo que não conseguiria fazer mais. Tentei um curso isolado de universidade na minha ária de formação (negócios), mas apenas uma aula já ocuparia toda a bolsa disponibilizada e não chegaria nem perto de conseguir os créditos ou horas necessárias.

No fim, acabei escolhendo um curso de final de semana em Washington D.C. que realmente recomendo. O nome é Women's Business Leadership Seminar e no curso foi abordado diversos aspectos de como nós mulheres temos que ter confiança em nós mesmas e como devemos ser mais valorizadas no mundo dos negócios. Também tivemos lições de postura, de negociação e de empreendedorismo. Em todo tempo de aula tivemos que elaborar um produto ou serviço a partir de algo que seja de nosso interesse e todas as lições foram levando à conclusão, que foi uma apresentação e agravação de um “comercial”.

Image may contain: 25 people, people smiling, indoor


Se você se interessa pelo mundo dos negócios ou só quer ganhar um pouco mais de confiança em si própria, o curso é ofertado duas vezes por ano. Cada aula dá direito à 3 créditos ou 36 horas aulas. 

Ainda tenho metade dos créditos para cumprir, então se você tiver alguma sugestão pode deixar aqui nos comentários haha. Espero ter ajudado e qualquer dúvida sobre esse assunto estou à disposição.

Beijos e até mês que vem.
Elisa.
Share:

segunda-feira, dezembro 10, 2018

Cuidado com o que você pede

Santo de au pair não é fraco e a maioria de nós podemos provar isso. Mas calma lá, muito cuidado com você pede. Afinal, isso pode acontecer antes mesmo do que você imagina!


Há alguns meses eu tive uma discussão feia com a minha host family. Eu estava sobrecarregada e abri um diálogo para mudar a situação. Foi uma situação muito tensa e a minha rotina passou por algumas boas alterações.

Até aí tudo resolvido né? O problema foi o tempo (e a falta de noção). A boa rotina se manteve apenas por algumas semanas. Depois tudo voltou ao normal de novo. Eu já estava cansada, quase pedindo por rematch.

Eis que recebo uma bomba: a possibilidade deles se mudarem para outro país. E agora? Já comecei a procurar outra família, óbvio. Uns dias depois eles falaram comigo que queriam muito que eu fosse com eles, se isso não fosse um problema.

Começaram a me tratar diferente, mudaram a minha rotina e tudo começou a ficar bem de novo. Pensei comigo: não seria nada mal ir com eles né? Experiência de morar em outro país durante o mesmo ano de au pair? Vamos!


Passaram alguns dias, semanas e me vi na mesma situação. Rotina sobrecarregada e eu sem paciência com essas mudanças inesperadas. “Se aqui já tá difícil lidar, imagina em outro país, em casa nova? Ah eu tô fora!”

Eu não sou religiosa, mas fiz um pedido à Deus. Pedi que a minha host family se mudasse antes do que eles haviam combinado e que eu não pudesse ir junto. Assim eu saia do inferno que estava sendo trabalhar e morar com eles.

Não demorou muito e... Dito e feito! Recebi uma outra bomba há uns dias atrás: “vamos nos mudar antes do esperado e não poderemos levar você com a gente por questões do seu visto, sinto muito pelo transtorno”.

Eu pedi isso e realmente aconteceu. E agora, o que eu vou fazer?! Eu não deveria ficar chocada, já que eles são imprevisíveis e que aquilo era o meu desejo, mas a situação me pegou de surpresa. Infelizmente, eu pedi algo sem estar preparada.

E, como de costume, o tempo começou a voar...


Tive uma longa conversa com o meu host dad - a pessoa que resolve a maioria das tretas da casa. Negociamos a minha data de saída, um salário a mais, trâmites da prefeitura, detalhes da mudança e por aí vai.

Comecei a correr atrás das minhas alternativas para terminar meu ano e a ficha começou a cair. Então, a dura lição que aprendi e compartilho é clara: cuidado, mas muito cuidado com o que você pede. Isso pode acontecer antes do que você imagina!

E aí, o que você tem pedido e como tem se preparado caso o que você queira aconteça mesmo? 

Fica tranquila, eu também nem tenho roupa pra isso, mas a gente se arranja 😊

Um beijo, um feliz Natal e um ótimo ano novo!
Nos vemos no mês que vem!
Share:

sábado, dezembro 08, 2018

AU PAIR NA CALIFORNIA: É UM SONHO MESMO? #CALIFORNIA DREAM

Olá pessoas!

Como vocês já devem saber, eu sou au pair na Califórnia há quase quatro meses e nos EUA há seis. Eu me mudei pra cá com a minha host family mesmo e não de rematch como se presume e nesse processo de mudança, xs amigxs au pairs todos queriam vir na mala junto haha! É o tal do Califórnia Dream de todo mundo. Mas será que a Cali é esse sonho todo? Eu já te adianto que há controvérsias, Haha.



Eu e minha família nos mudamos para Davis que fica no Norte da Califórnia, 20 minutos de Sacramento (Capital do Estado) e 1h30m de San Francisco, aqui também é a cidade da University of Califórnia Davis- UC Davis então pessoas da mesma idade (e boys) não faltam! hahaha.

No começo as coisas foram difíceis, não conhecia nenhuma au pair aqui, minha primeira amiga era de Fairfield, 30 minutos away e o resto da galera em Sacramento, posso dizer que levei três meses ao total pra me adaptar em comparação a North Carolina que em uma semana eu já tinha amigas foi um longo tempo.

Mas e o tal do Califórnia Dream? Historicamente o sonho californiano teve origem a Golden Rush de 1849 (pesquise sobre), a origem do estado foi dada através dessa corrida do ouro e essa nova terra ganhou o significado de sorte e prosperidades para novos começos. Califórnia Dream nada mais é do que a motivação psicológica de ganhar fama e dinheiro em um novo lugar, também pode se associar com Hollywood e diversos outros exemplos.

A cultura do estado em geral é bem mesclada e internacionalizada, principalmente com México e países asiáticos por estar mais próximo geograficamente, ainda é considerado um lugar paradisíaco pelas oportunidades, lugares turísticos e a beleza paradisíaca encontrada em todo o estado. Politicamente falando, é considerado um estado majoritariamente liberal e ainda mais do que qualquer outro no país, a maconha recreativa também é legalizada por aqui para quem ainda não sabia.

Alright, alright.... Falei demais, mas e a vida? A vida é ótima!!! Tirando as taxes e o custo de vida relativamente alto, a vida é ótima! É possível encontrar atividades para todos os gostos e tipos de pessoas. Uma das minhas coisas favoritas aqui é ir a jogos de Basketball, Football e qualquer outro esporte disponível, e isso tem todos os finais de semana inclusive na minha cidade. Pra quem é fã de beleza natural e lugares paradisíacos, temos o Yosemite National Park, Lake Tahoe, Big Sur, inúmeras praias tanto em South quanto North Califórnia, entre outros.Também temos San Francisco e todo o rolê turístico por lá, Sacramento e todo o rolê histórico da Golden Rush, Los Angeles e Hollywood e assim vai....



Então sim, viver aqui é um sonho! Caro. Mas um sonho. As vezes fico pensando que um ano de Au Pair é muito pouco salário e pouco tempo pra explorar tanta coisa por aqui hahahahhaha Mas quero deixar claro que meu foco nunca foi ser Au Pair na Califórnia, e sim de uma família boa. Acredito que viver bem vem acima de tudo, e aí está o verdadeiro paraíso e as coisas vão acontecendo naturalmente... Enfim, aqui estou.

Living the Califórnia Dream!!!



Beijooooooosss, até o próximo post!

Bárbara Costa

insta: @barbaramtcostaa 
Share:

sexta-feira, dezembro 07, 2018

O au pair mudou a minha e vai mudar a sua! Você esta preparada para a mudança?

Parece clichê, mas é a verdade nua e crua. A gente muda. Nossa cabeça muda. Prioridades mudam. Talvez coisas (pessoas) que você não quisesse deixar pra trás ou achou que ia tudo continuar igual, mudam e você não tem controle nenhum sobre isso. 

Pra mim foi uma libertação. Mas você também tá pronta (o) pra isso? 



Tem muita gente que tem medo de mudança, do novo, do futuro e por isso não se lança a sorte e acaba deixando muita coisa boa passar sem se dar conta. Eu não sou uma dessas pessoas. As vezes acho que me lanço até demais (risos). Mas o que seria de nós se não nossas experiências? 


Todos os dias ouvimos relatos negativos da #aupairlife, mas perai, se tanta gente faz tem algo de bom na opção também, e pra mim, foi uma das (se não a melhor) escolha que fiz nesses meus 20 aninhos de glamour. 

Há 9 meses atrás estava eu, com 19 anos, infeliz com meu trabalho, surtando com futuro (faculdade etc.), num relacionamento mais ping-pong que Neymar e Bruna, meus pais passando por uma crise e eu sem saber o que fazer, mas absorvendo todo aquele drama pra mim e querendo de alguma forma resolver tudo, como sempre. Mas leia de novo e me diga o que ali em cima eu realmente tenho controle sobre?
Pois bem, estava surtando por não poder fazer nada pelos outros pra ajudar a melhorar a situação e nem por mim... em partes.

Tive um surto e decidi me jogar com tudo no programa e menos de 3 meses tava embarcando pra França (o que era um segredo pra toda a família e amigos também/sou daquelas que só contam depois que tudo se realizou já). E volto a dizer que não podia ter feito nada melhor.
Estou tirando o meu tempo. Pra me encontrar, me descobrir e saber o que quero pra mim, sem influências, dramas, coisas pequenas que quando estão no nosso dia a dia nós transformamos em tempestades, mas vejam bem... Não estou diminuindo ou dizendo que o problema de cada um é menor que o meu. NÃO. Estou dizendo que quando estamos longe de casa, da família, morando com estranhos, num lugar onde não falamos a língua e estamos só, aprendemos a nos virar por nós mesmos e damos valor nas coisas mais simples. 

E pra mim, de tudo, de todos os países, pessoas, lugares, comidas, festas etc., o que foi mais importante e relevante no meu período aqui, foi a evolução que eu passei. O quanto eu cresci e me tornei quem eu sou. As vezes a gente só precisa de um empurrão, as vezes de que alguém nos jogue do abismo, mas sempre tenho comigo que temos que diariamente nos desafiar e nos propor a fazer algo diferente por nós mesmas. 

Se joguem, façam por vocês. O máximo que vai acontecer é volta para casa e ai podemos encaixar nossa querida frase clichê (que não lembro se realmente é assim, não me julguem): "Se deu certo ótimo, se não, foi experiência" que mesmo se não for como esperava, a experiência do que viveu sempre estará com você... 

Beijos de luz! 🍀
Insta: @viromeiro 
Joyeux noël! 🎅🌲


Share:

quarta-feira, dezembro 05, 2018

AU PAIR: eu fui e "nunca mais voltei!"

   Eu costumo dizer que o au pair é um caminho sem volta por vários motivos: o mergulho em uma cultura que não é sua, mas passa a ser parte de você nos mínimos detalhes, a língua, que não é a sua, mas que vira e mexe você se pega soltando um “so far” daqui ou empurrando as portas de locais públicos ao ler “puxe”, as amizades, claro, que por mais que você perca o contato sempre serão parte da sua vida e história, a hostfamily, que boa ou ruim fez parte de todo esse processo e principalmente eles, as “estrelas” desse intercâmbio: as hostkids!

   Para quem ainda não me conhece, meu nome é Júlia, fui au pair em 2009 e hoje sou psicóloga e me divido entre os atendimentos clínicos e orientação psicológica online para intercambistas (olha aí outro sinal de que o au pair não sai da gente tão fácil lol).


   Essa noite eu sonhei com a minha M*, e ela estava tão pequena como no dia que fui embora de sua casa, no auge dos seus 3 aninhos (hoje provavelmente – se fiz as contas certo – ela tem 13 anos).
   Enquanto ela tirava a sua nap, eu conversava com a minha família no Brasil, e as conversas eram sempre deliciosamente interrompidas pelos passinhos (que eu já escutava lá de cima), por uma carinha “japonesinha” amassada, (ela é descendente de coreanos, mas descrever os olhinhos puxados ficou mais fácil assim) e um cabelo liso, cheio de nós todo amarrotado acompanhado de um sorriso e uma vozinha rouca dizendo: Hi, Julia!
Você chegou ao meu lado, puxei você para sentar na cama, deu um tchauzinho tímido para o notebook e logo pediu: I wanna see baby Isaque!
Ela amava ver meu sobrinho, que naquela época tinha meses, hoje já tem 9 anos!

   Não lembro muitos detalhes do sonho, mas lembro com muita realidade desses que contei aqui para vocês, e esse sonho, porém em cenários diferentes (brincando no parquinho, playdates, praia, ou pulando no trampolim) se repetem com bastante frequência. M* foi a kidda com quem eu mais convivi durante o meu período de intercâmbio, e lembro dela com muito carinho e compaixão (era uma criança “difícil’ quando cheguei  lá, e com o passar do tempo fui entendendo a dinâmica da casa e vendo como aqueles comportamentos eram sentimentos e pedidos de socorro que ela, tão pequena, não estava sabendo

expressar e principalmente lidar), e mesmo assim, ela e a irmã são as únicas com quem não tenho nenhum contato.  Ainda antes de ir embora, O* (que na época tinha 10 anos – e me sinto velha em pensar que hoje ela já tem 20 anos!! OMG) me deu um cachorrinho de pelúcia e falou: para você não se esquecer da gente, e quando olhar pra ele, lembrar de nós! Obviamente eu não preciso dele para lembrar delas, as recordações aparecem em situações muito pequenas, como por exemplo, quando minha sobrinha coloca um vestido rodado e sai rodopiando pela casa, “just like” M* fazia com aquele vestido azul velho manchado e que ela não queria tirar nunca (e só depois eu fui entender que talvez ele significasse tanto porque havia sido da mãe, quando era pequena).

   Daqui exatamente 1 mês estarei completando 10 anos de au pair! 10 anos, e como vocês podem ver, ele continua presente no meu dia a dia!
Enfim, é um caminho sem volta, e isso não é ruim! Você vai lembrar para sempre daquela criaturinha que não é sua, mas que você criou, amou e cuidou como se fosse, dos momentos, amizades, idioma, da casa, das viagens, risadas, lágrimas, crises, baladas, enfim, de tudo!

E é com esse post que me despeço do blog! Sim, coincidentemente  sonhei com a minha M* no meu último post! Na verdade, estava planejando falar sobre outro assunto, mas depois desse sonho,  não tive dúvidas que o tema tinha que ser esse!
Sou muito grata à esse blog (e às meninas) que me acolheu, me permitiu contar um pouco da minha história e dividir um pouco da minha visão do intercâmbio durante esse período. Sou grata também por ter podido compartilhar um pouco do meu trabalho atual (psicologia) dentro do au pair, como eles se complementam e como a psicologia (apesar de algumas agências fecharem os olhos para isso) é fundamental no processo de intercâmbio (para nós e para as famílias)! Mais uma vez, gratidão, meninas!!

   E para quem quiser me acompanhar nas redes sociais, meu insta batepapocompensamentos_  , tem também a página no face: Bate papo com pensamentos e o canal no Youtube: Bate papo com pensamentos

Seguimos juntos, pessoal, pois juntos somos muito mais fortes!!


Beijos e abraços!!
Share:

segunda-feira, dezembro 03, 2018

Happiness is inside of you!

Olá pessoal! 

Hoje eu gostaria de compartilhar uma experiência minha sobre aprender a ser feliz aonde você está. 


Bom após dois anos de USA foi difícil voltar para o Brasil, todo mundo eu acredito que passa por isso. Porém eu sempre associava minha felicidade a estar morando no exterior. Eu achava que a minha felicidade estava em lugar, pois eu acabava associando o Brasil às dificuldades que eu tinha passado (não lembro se já comentei aqui mas sofri muito na área emocional antes de ir embora). E achava que só longe daqui as coisas poderiam fluir pra mim. 

Porém eu planejava e corria atrás mas nada dava certo. Eu planejei em ser au pair na Alemanha, comecei a aprender alemão, me inscrevi no site e falei com algumas famílias mas nada fluía, até que eu desisti e me conformei em voltar para o Brasil. Porém de volta aqui eu continuei querendo sair, buscando por famílias pra ser au pair de novo ou outras opções, tudo menos Brasil hahaha.

Mas chegou uma época que embora eu quisesse ainda sair do Brasil eu decidi começar a procurar por emprego aqui e foi tudo tão rápido pois dentro de poucos dias eu estava com uma entrevista marcada para começar a trabalhar com educação bilíngue aqui no Brasil. Bom e desde então muita coisa mudou. Eu passei a morar sozinha pois a escola fica em outra cidade, mas essa foi só uma das mudanças. Dentro de mim também muita coisa mudou e eu passei a amar a vida que estava tendo aqui. E não por que tudo estava bem ou perfeito, mas por que dentro de mim algumas coisas haviam mudado. Eu já estava bem comigo mesma e acredito que tudo o que vivi, o amadurecimento que tive lá fora, as experiências e oportunidades de crescimento pessoal contribuíram para isso. Isso não tirou de mim a vontade de morar fora e conhecer outros lugares, viver novas aventuras mas me ensinou que a felicidade não está nas circunstâncias ou lugar e sim dentro de nós. E eu acredito que eu precisava passar por isso, de estar aqui nesse momento para aprender essa lição. 

(Abrindo um (), eu não acho que você tem que se conformar de estar aonde está não, se você sente que precisa de mudança, quer realizar seus sonhos corra atrás, há um tempo para tudo e eu acredito que só consegui chegar nesse ponto de me sentir bem aqui, por que eu me dei um tempo e corri atrás do que eu queria). 

O post de hoje foi algo bem pessoal, espero que tenha conseguido explicar esse turbilhão de pensamentos hahaha mas ser au pair é intenso mesmo desde o começo e continua depois... Claro que cada um tem sua própria jornada e isso que faz tudo tão lindo! E você o que aprendeu no seu intercâmbio ou até mesmo na volta dele? Deixe aqui nos comentários eu amaria ouvir você também!
Share:

Follow by Email