Quando o "match" dura além do ano de Au Pair. ~ O Blog das 30 Au Pairs

Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

sábado, junho 15, 2019

Quando o "match" dura além do ano de Au Pair.


Oi gente linda, tudo bem?

Pra quem não me conhece, eu sou a Daiani, tenho 27 anos e sou ex au pair na Holanda.
Eu escrevi aqui no blog de 2017 a 2018, mas após meu intercambio acabar, a vida ficou meio confusa (quem já passou por final de intercambio vai entender), muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, então me afastei do blog. Porém agora as coisas se ajeitaram e eu quis continuar compartilhando minhas experiencias aqui :)
Hoje vim falar um pouco da relação com minha ex host family e o que eles significaram (e ainda significam) para mim.

Quando decidi ser au pair na Holanda, eu jamais imaginara o desenrolar dessa história e tudo que estava por vir e o quanto isso mudaria minha vida. Eu jamais imaginei viver um ano tão intenso, que passou tão rápido, conhecer tanta gente bacana, fazer amigas para a vida, me mudar definitivamente para o país depois do programa e principalmente, ganhar uma segunda família.
Chegar em uma casa estranha, se comunicar em um idioma que não é o seu, com pessoas de uma cultura totalmente diferente, é um desafio enorme. Não é para qualquer um - então já deixo aqui um parabéns bem lindo para mim e para todos os outros au pairs que aceitaram fazer essa "loucura" boa.

Voltando à história, pois bem...cheguei na Holanda em janeiro/2018, minha ex host foi me buscar no aeroporto com meu ex kid mais novo. No caminho para casa, foi aquele silêncio super "awkward", ninguém falava nada e eu pensando "o que eu tô fazendo aqui". Nos primeiros dias, igualmente estranho. Eu esperava até o último minuto no meu quarto antes de começar a trabalhar. Nos jantares eu ficava quietinha e só falava quando me perguntavam algo...

Mas nada melhor que o tempo, não é? Aos poucos eu e meus hosts fomos nos soltando, nos conhecendo, conversando. Quando percebi, em dois meses estávamos tomando chá, assistindo filme, contando piadas e trocando confidencias. 
Eu desenvolvi um carinho imenso pela minha ex host family e terminei meu ano de Au Pair me sentindo realmente como parte da família. Me senti adotada por eles. Havia antes de mais nada, respeito, confiança e bom senso de ambas as partes (coisas que são primordiais para uma boa convivência). Fazíamos programas em conjunto, muitas vezes no meu tempo off e eu gostava disso! Foi uma forma de suprir a falta que a minha família fazia. 

Foi uma dor imensa ter dado tchau a eles no dia da minha partida. Mas a vida é feita de fases, e a fase do Au Pair tinha chegado ao final. E eu sabia que independente do programa ter acabado, os laços permanecem. E a vida é uma caixinha de surpresas, não é? Atualmente eu moro na Itália, e não muito tempo depois de ter deixado a Holanda, meus ex hosts e kids vieram me visitar aqui durante um feriado. Significou muito pra mim. Quando lembro do nosso match lá em 2017, fico pensando que naquela época nem me passava pela cabeça ter uma relação dessas. Que iríamos manter contato mesmo ao final do programa, que iríamos continuar nos vendo e nos visitando.
E agora que estou de mudança definitiva para a Holanda, faz toda a diferença saber que eu tenho pessoas com quem contar. Além dos amigos que eu fiz, também uma família que cuida de mim, me quer bem e que será meu porto seguro nesse recomeço.

Não estou escrevendo esse relato com a intenção de iludir ninguém (risos) e dizer que é tudo lindo. Ser "parte da família" traz seus desafios também. E eu também sei que situações como a minha não são tão comuns. Nem sempre as personalidades, valores e costumes da au pair batem com os da host family. As vezes só rola uma relação profissional mesmo. E tudo bem! Você não precisa se tornar um membro da família para seu intercambio ser bem sucedido. Muitas meninas nem querem isso...
Eu tão pouco planejava isso. Minha intenção era manter uma relação agradável e boa convivência para o intercambio ser bom para ambas as partes. Mas fui surpreendida, e sou muuuito grata!
E no fim, seja a relação familiar ou profissional, só o que conta é que você seja feliz durante esse ano que é só seu!
Quis contar minha história para mostrar que no intercambio nem sempre ganhamos amigos somente em festas, rolês, saidinhas. E que apesar de não ser tão comum, se você tiver sorte (e vontade, claro) pode ganhar também uma família :)

E você leitor, leitora, futuro (a), atual au pair...que tipo de relação gostaria de ter com sua host family? Conta aqui pra nós!

Um beijo, e até o próximo dia 15!
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Follow by Email