Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

10 julho 2020

Fechamento de um ciclo: não sou mais Au Pair!



Hello hello!

Prazer, Beatriz Vieira, mais conhecida como Bea/Bia/B. Pode chamar como quiser, tá tudo bem! Tenho 27 anos, sou Jornalista, natural de Lençóis Paulista, interior de São Paulo. Como o título desse texto diz, estou aqui para celebrar o fechamento de um ciclo, do ciclo mais importante da minha vida até então: o programa de Au Pair. Mas antes, vou falar um pouco sobre como a ideia do Au Pair surgiu na minha mente.

Estudo inglês desde os meus 8 anos, mas nunca tive uma evolução visível. Minha gramática era intermediária/avançada, a audição do inglês também estava no mesmo nível, já a fluência ao falar era o mais básico dos básicos. Estudei jornalismo por 4 anos, me formei aos 22 anos. Desde o meu segundo ano de curso, comecei a estagiar em uma revista na minha cidade, onde fiquei durante todo o período de faculdade. Após me formar, sai de estagiária e passei a assinar como jornalista nessa mesma revista, mas me vi presa em uma rotina que não me fazia tão bem, me fazia sentir parada no tempo e sem visão de crescimento. Conhecia várias pessoas que fizeram o programa de Au Pair, e então, em novembro de 2017, decidi fazer uma viagem para a capital paulista e visitar a agência. No caso, a Experimento, no bairro de Higienópolis, onde assinei o contrato. Vou contar mais sobre o meu processo em algum post futuro, prometo. Foi rápido e um sucesso. 

E agora vamos para o motivo do texto, celebrar esses dois anos como Au Pair. Posso usar, literalmente, a frase de que foi uma montanha russa. Esses doias anos foram os mais malucos da minha vida, foram os mais sensacionais e de auto-conhecimento. Cheguei, conheci pessoas, conheci lugares, passei por muitos momentos, bons e ruins. Nas primeiras semanas, me queimei, queimei o carpete da família, chorei por meu inglês ser péssimo, fiz amizades, terminei um relacionamento, declarava ficar apenas um ano, mudei de ideia, mudei de posicionamento, mudei de pensamento sobre algumas coisas, abri minha cabeça para o mundo, vi gente do mundo todo, ouvi todos os tipos de idiomas possíveis, encontrei brasileiros no metrô, congelei com a neve, morri de calor, comi muito hamburguer, engordei alguns quilos, fiz extras, bati o carro (lê-se como dei PT no carro da host familiy - isso vale um post único), e muitos outros momentos. Nesse mesmo período, perdi pessoas queridas no Brasil, viajei ao Brasil duas vezes para as minhas férias, ví minha família, fiz surpresa (também vai ter um post com direito ao vídeo), fui ao casamento do meu irmão. E cara, quanta coisa aconteceu e tem acontecido. Fiquei os dois anos com a mesma família, me senti parte da família e ao mesmo tempo não me senti. E o mais importante, completei esses dois anos com sucesso. Au Pair sem perrengue não é Au Pair, não é?! Então tá tudo bem. 

E viva a Bea! O elfo está livre! 

E obrigada pela leitura! Volto logo com muito mais para contar! <3 





Share:
Beatriz Vieira
Ex Au Pair em Falls Church, Virgínia (EUA)

4 comentários:

  1. Filha, tudo que aconteceu em sua vida foi e está sendo a vontade e permissão de Deus! Ele tem abençoado cada detalhe desses dois anos! Que você seja muito feliz sempre! Te amo!♥️😘

    ResponderExcluir
  2. Oi Bia, nossa que legal a sua história, deixou gostinho q quero mais! Ansiosa pelos próximos posts e agora q vc terminou o programa, o que fez? Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi Bea!
    Wow! Essa vida de Au Pair é bem louca né hahaha! Temos com certeza muita historia pra contar! Fico muito feliz por vc! E boa sorte nessa nova etapa da sua vida!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  4. Menina!!! Já estou vivendo pela história do PT no carro da HF ahahaha
    Feliz por você ter terminado esse ciclo, tô aguardando minha vez! bjs

    ResponderExcluir

Follow by Email