Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

01 outubro 2020

Minha experiência como Demi Pair: Rematch!

 Hey, gente! 

Nem acredito que Outubro já chegou! Este ano está passando muito mais rápido do que de costume! E entre Setembro e hoje, eu completei meu primeiro ano aqui na Austrália! Inclusive, celebrei, pois para mim, é uma conquista imensa! ♥ 
Em meio há todos esses 365 dias aqui na Austrália, as primeiras 5 semanas guardam a primeira parte da minha experiência como Demi Pair aqui, em Brisbane. E o post de hoje, é sobre isso! 

Bom, como eu disse no post anterior, o programa de Demi Pair, você não tem uma entrevista com a host family ou o seu adorado match! Eu só não vim totalmente às escuras, porque eu pedi para a agência me colocar em contato com a minha host family antes do embarque. Porém, não é comum. A galera vem sem saber mais do que o nome e o endereço. 

Eis que eu cheguei aqui, em Brisbane, para ir morar com uma host family Portuguesa, que já mora há 5 anos na Austrália. Antes, eles moravam em Gold Coast (uma cidade vizinha) e se mudaram para Birkdale (subúrbio de Redland, cidade vizinha de Brisbane), 3 semanas antes de eu chegar. O host dad, a host mom e 4 host kids pequenas: 1 menino de 4yo, 1 menino de 3yo e gêmeas de 3 mo. 

Eles me receberam falando com aquele Português rebuscado, cheio de gírias como "isso é giro!" (= isso é legal!) e um sotaque forte. Como foi a minha primeira impressão, eu até agradeci. Só que isso acabou se tornando recorrente. Eles não falavam inglês dentro de casa, em nenhuma circunstância. Então, eu acordava de manhã, fazia parte do meu schedule e ia para a aula. Durante todo o tempo que eu estava fora de casa, eu estava praticando o Inglês; mas quando eu retornava, era só Português. E desta forma, eu estava me sentindo no Brasil, só que com uns Portugueses. Isso começou a me incomodar muito e eu sentei para conversar com os meus hosts a respeito, perguntei numa boa, se eles não falavam em Inglês dentro de casa ou então, se poderiam adotar essa prática enquanto eu estivesse morando com eles e o host dad me disse de cara lavada: "Não. Não falamos em Inglês e não pretendemos mudar. Queremos que nossos filhos tenham conhecimento e saibam falar a nossa língua materna. Fora de casa, todos falam Inglês. Dentro de casa, só Português." E eu fiquei pensando comigo 'Mas gente? É um intercâmbio cultural!!! Como que você aceita uma coisa dessas? Não é o propósito real disso'. Este foi o primeiro ocorrido que me deixou com um pé atrás com relação a tudo. 

Outro detalhe que não constava no docs da host family antes de eu embarcar era que a host mom é vegetariana. O host dad e as host kids não são, porém, o consumo de carne na casa é praticamente inexistente. E com isso, os meus hosts simplesmente decidiram que eu também não iria consumir. Eu não podia colocar nada na lista de compras que incluísse leite, carnes ou chocolate. Ao mesmo tempo em que eu não podia comprar nada e levar para a casa. Então, eu fiquei num beco sem saída, ou eu comia fora de casa ou eu passaria fome naquela casa. Logo, passei a consumir em restaurantes e 7 Eleven próximos da escola. 

Lembro de comentar isso com uma colega da escola e ela me falar que isso estava bem errado e que eu deveria tomar uma providência, antes que tudo piorasse. E eu, bem Alice, pensei 'AH! Mas nem tem como piorar, né?' Eis que no fim de semana seguinte, saí com alguns amigos para conhecer a cidade e acabamos estendendo um pouco mais em um dos bares de South Bank. Quando foi por volta das 6 pm da tarde, eu recebi uma mensagem da minha host mom falando assim: "Olá, Sthéfanie. Você já está voltando para casa? Nós estamos indo dormir às 6.30 pm e vamos trancar a casa. Ou você chega até 6.20 pm ou é melhor procurar outro lugar para dormir. Nos vemos amanhã." A distância de onde eu estava até a casa da host family era de 1h15 de trem. Nunca, nem se eu quisesse ir naquela hora, eu não chegaria até 6.30 pm. E caso vocês estejam pensando onde está a minha cópia da chave da casa, pois bem, eles nunca me deram uma. Eu pedi, mas eles não se sentiam confortáveis com isso. 

Eu estava desenvolvendo um relacionamento bom com as host kids. Pequenas, mas que adoravam brincar. Era perceptível o quanto os meninos sentiam falta da mãe que passava o tempo todo dando atenção para as bebês e o pai, um pouco ausente nas atividades da casa. Tanto que, quando meu schedule de repente mudou, eu fiquei incomodada e tentei contestar, mas não deu em nada. A atividade: laundry da casa toda! Ou seja: lavar roupa das host kids (ok!), lavar roupa dos hostos (que?) junto com as minhas roupas. O que isso acarretou? Colocar roupas íntimas dos hostos no varal, dobrar e guardar no closet deles. Para mim, foi a gota d'água. Eram 15 horas de trabalho por semana que estavam me esgotando e me entristecendo de modo inesperado, totalmente fora do planejado.

Os dias foram passando e eu estava me sentindo um peixe fora d'água naquela casa. Eu conversava com os meus amigos e minha família e não estava feliz. Um programa de só 12 semanas e até então, tinham se passado 3 semanas muito desconfortáveis. Foi então que eu decidi entrar em contato com a agência de Demi Pair aqui da Austrália, pedindo uma reunião para falar a respeito da minha experiência. No começo da semana seguinte, a assistente da coordenadora do programa apareceu na escola e eu conversei com ela, expliquei tudo e perguntei o que eles poderiam fazer a respeito. Foi quando eu descobri a verdade sobre o programa de Demi Pair:

  • As host families não pagam nenhuma taxa para a agência. 
  • A agência faz uma inspeção na casa da host family, para saber se eles têm condições financeiras de prover acomodação e alimentação para o demi pair.
  • Os demi pairs são quem move a agência, ou seja, se tiverem qualquer problema durante o programa, a agência dará todo o suporte e preferência.
Eu conversei com a assistente na terça-feira de manhã. Na quarta-feira, foi acordado o rematch 'amigável' entre eu e a host family. E na segunda-feira da minha 5ª semana aqui, a agência enviou um Uber para me levar até a casa da minha nova host family.
E no final, eu saí da casa agradecendo por terem me recebido por aquele período, mas nunca mais nos falamos novamente. E, apesar dos pesares, foi com esta host family que eu comecei a aprender mais sobre mim, minhas limitações e minha forças. E é bem como Nelson Mandela dizia: 

Nem tudo sai como o esperado, mas confio quando dizem que Deus sempre escreve certo, por linhas tortas, porque o final do meu programa de Demi Pair foi muuuito diferente do começo; me trouxe lembranças maravilhosas que estarei compartilhando com vocês no próximo mês! Até lá, eu desejo um ótimo Outubro a todos! See ya! 🐨

Share:
Sthéfanie Manica
Au Pair na Austrália

0 comentários:

Postar um comentário

Follow by Email