Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

03 dezembro 2020

Ser ou não ser parte da família?


A minha teoria é que a maioria das pessoas que decidem ser aupair são pessoas mais independentes, que não veem problema em ficar sozinhas. Mas mesmo assim as vezes é legal ter alguém pra sair no final de semana pra sair pra comer, conversar, dar risada. Será que dá pra fazer isso com a host family? 

Assim que eu cheguei no meu primeiro ano de aupair na Califórnia eu já decidi que queria voltar pro Brasil kkkkkk não é por nada, mas quando eu me dei conta que eu estava sozinha e que teria que cuidar da filhos dos outros e que eu não conhecia nada nas redondezas eu me desesperei e achei que não daria conta. 

Mesmo assim eu persisti, fui levando um dia de cada vez, não da melhor maneira mas fui levando. Eu comecei a perder peso, não queria fazer nada nas minhas horas vagas além de dormir. Quando eu passava meu tempo off com eles significava que eu iria trabalhar de graça enquanto os hosts se divertiam, mas talvez isso significasse que eu era parte da família certo?

Coisas que a gente tinha combinado na entrevista, antes de eu embarcar, foram mudando: eu não tinha o final de semana off, eu não podia usar o carro a não ser que eu falasse aonde eu ia, que horas eu iria voltar, com quem eu iria voltar e coisas do tipo, mas será que isso é fazer parte da família? 

Eles até me levaram de graça pro Canadá em época de neve gente! Eu estava muito empolgada porque eu nunca tinha visto neve antes então fui bem feliz. Só que eu não consegui aproveitar porque não tive nem um dia off pra explorar. O que eu tive foram algumas horas numa noite em que eu consegui sair pra comer com outra au pair e dizer que estava passeando hahaha eu sabia que iria a trabalho, mas começar trabalhando da hora que tu acorda até a hora em que as crianças vão dormir pode ser cansativo, just saying.

Eu tive que ir para o hospital porque eu estava com uma cólica menstrual que quase me fez desmaiar de dor e eles queriam que eu voltasse a trabalhar, porque estava no schedule, talvez fosse porque eles queriam ficar de olho em mim, pra ter certeza de que eu estava melhor não é? Eles até viajaram e me deixaram sozinha com as crianças - uma coisa que eu sei que vai contra as regras do programa mas eu fiz mesmo assim por ser “parte da família”. Kkkkk ok chega de sarcasmo hehe

Eles me convidavam pra tomar um drink às vezes pra eu contar da minha vida no Brasil e essa era a única hora em que eu pensava que eles talvez me vissem como alguém mais do que uma guria que apenas trabalhava pra eles. Depois que eu fiz amizade com algumas meninas maravilhosas brasileiras eu passei a sair do meu basement, comecei a conhecer as cidades vizinhas, passei a sair com gente da minha idade e que entendia o que eu estava passando, afinal elas eram aupairs também haha

Eu passei a apenas fazer o meu trabalho e não esperar nada deles, afinal minha vida não iria mudar porque eu não conseguia arranjar coragem pra enfrentar a situação e exigir uma mudança, eu já estava muito cansada psicologicamente e fisicamente. 

As únicas horas em que eu podia ser eu mesma era quando eu saía de casa, sozinha ou com as minhas amigas lindas maravilhosas s2. Até que eu decidi que iria estender meu segundo ano de Apair com outra família, e de preferência bem longe dali haha. Assim que eu cheguei em Chicago eu me senti acolhida pela host family mais maravilhosa que eu já conheci e tive o prazer de trabalhar. Eles não eram perfeitos, não são, ninguém é. Mas o fato de tentarem entender o meu lado, respeitarem o que a gente tinha combinado desde o princípio, me ajudar a me alimentar bem kkk coisas que não parecem muito mas que mostram que essas pessoas realmente se importam com você (algumas pessoas devem achar que eu sou Alice por achar isso mas tudo bem kkkk) fizeram a diferença e ainda me fazem ter um carinho especial por eles até hoje - tanto que a gente conversa depois de mais de um ano que eu voltei.

A questão é que todas as pessoas são diferentes e algumas têm mais afinidade entre si do que outras. Eu digo isso porque a minha primeira host family vive postando sobre quão maravilhosas são as Au pairs que vieram depois de mim (eu não  tenho ciúmes hehe), enquanto eles me proibiram de postar fotos com as crianças na época. 

Enfim, acho que é por isso que quando me perguntam se vale a pena ser Au pair eu digo que “sim”! Ninguém pode dizer como vai ser a tua experiência, se a tua host family vai te tratar como parte da família ou não. Pra mim tem mais a ver com a afinidade e química do que com o esforço ( se bem que se esforçar ajuda um pouquinho hehehe).

Minha dica na verdade é pra não se preocupar em ser parte da família ou não, tenha certeza em fazer da tua experiência a melhor possível, dê o seu melhor e não aceite menos do que tu merece! 
Beijos de luz s2


Share:
Lana Priscila

Um comentário:

  1. Oi Lana, que bom que vc teve duas HF diferentes para poder ter comparado essa questão de "fazer parte da família" com duas experiências diferentes e que bom que com a segunda HF, sua experiência quanto a isso foi mais positiva! Eu concordo sobre haver "afinidade e química" entre a AP e a HF porque eu mesma super me senti parte da minha HF, mas já a AP depois de mim, teve uma experiência negativa com eles. Mas também acho ser importante se esforçar um pouco, se mostrar interessada pela vida das kids não se sentindo "obrigada", enfim, vai muito de cada HF e AP, o principal é aproveitar o melhor que o intercâmbio tem a oferecer:)

    ResponderExcluir