Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

16 janeiro 2021

A sútil arte de ser tolerante.


Esse tema em específico está em meus pensamentos há dias e senti vontade de usar esse espaço para escrever aqui e compartilha-los, principalmete neste  exato momento, pois coincidentemente tenho visto inúmeros relatos de pessoas nas redes sociais e na maior parte senão em todos os casos eu li ou escutei a seguinte frase:

“NÃO ROMANTIZEM O PROGRAMA OR HOST FAMILY.”

E antes mesmo de começar eu gostaria de abrir uma gigantesca aspas para afirmar que “EU NÃO PASSO PANO PARA HOST FAMILY RUIM E MUITO MENOS PARA AU PAIR TÃO RUIM QUANTO”, mas vamos falar sobre o seguinte fato:

 - Até onde esses relatos continuarão a condenar a todas as host families e automaticamente todas as Au Pairs?

É muito triste não sabermos o quanto nossas palavras ferem, condenam e magoam. Digo muito triste porque com toda certeza do mundo se soubéssemos o peso que elas tem, talvez tentaríamos ser mais tranquilos e passivos para que assim aquela mesma força para ferir pudesse se tornar forte o suficiente para alimentar a todo aquele que busca, pois só busca por algo aquele que tem fome ou  sede por algo e penso que se pudéssemos nos tornar responsáveis por todo e qualquer tipo de sentimento que colocamos em palavras e pior disso, colocamos frente há uma câmera, despejamos ao mundo da mídia social, talvez se pudéssemos nos sentir responsáveis por estes acontecimento, nos tornaríamos pessoas mais cautelosas e consequentemente melhor para com o mundo... 

Eu enxergo o programa Au Pair como um “Mundo Paralelo”, talvez uma novela mexicana (é uma piada pelo excesso de chororô que eu assisti durante a vida em algumas novelas mexicanas que passava no SBT). Se torna nítido enxergar o sentimento à flor da pele, seja na emoção por poder fazer algo pela primeira vez na vida (primeiro contato com a neve por exemplo) ou  no drama por não saber o que fazer, como fazer e quando fazer (primeiro desentendimento com a host family).

Pois bem, oficialmente comecei a acreditar agora que esse lance de mundo paralelo faz jus ao programa, mas seria tão bom se pudéssemos fazer jus com todos os requisitos solicitados tantos para nós Au Pair quanto para as Host Families, pois se todos trabalharem juntos, não haveriam tantos casos do tipo: “NÃO ROMANTIZEM.”

Eu sou extremamente grata por tudo que tenho vivido até aqui. Talvez eu não indicaria o programa para qualquer pessoa, pois eu senti na pele o quanto foi difícil deixar a minha casa, família, amigos, deixar meu País de origem para viver em uma cultura diferente, com uma família que nunca vi antes na vida, morar com chefes, ter meus horários totalmente dependentes dos horários compatíveis aos deles, não ter de fato minha vida própria e livre como antes mas ao lado contrário disso sempre vieram e vem os objetivos que me trouxeram até aqui, minhas metas, a louca vontade em aprender cada dia mais sobre inglês, a oportunidade em ver sonhos tornar-se realidade, coisas que até tempo pouco tempo atrás (1 ano e 8 meses) seriam tão difíceis trazer para a minha antiga realidade. Por estas e muitas outras razões eu concordo com a frase:

“Não romantizem e bla bla bla.”

Mas abriria uma preciosa exceção para incluir algo a mais  nessa frase “Auperiana”, deixando a mesma da seguinte forma:

“Não romantizem mas também não ridicularizem.” 

Tudo se torna questão de pontos de vistas, objetivos e sonhos.

Se você se encontra em um lugar aonde não te cabe, aonde você não se sente feliz, lugar que te limita, seja justo consigo mesma e se permita viver, organize suas coisas, diga um VALEU GALERA mas por agora hiii Bye bye e saia pela mesma porta que entrou, vá viver os seus objetivos, não permita que um dia ruim coloque abaixo tudo o que um dia te fez bem pois estamos aqui nessa vida para aprendermos e garanto que evoluímos muito diante aos nossos erros e é tão bom poder aprender e amadurecer com os mesmo, faça jus e seja honesto, há tanta vida lá fora.

Ps: Para todas as meninas que ainda não se tornaram Au Pair, eu gostaria de deixar um conselho para vocês:

Busquem o máximo de informações que puderem para que vocês não sejam as famosas “Alices” mas não façam um julgamento geral sempre que se depararem com essas frases típicas, não deixem que o dia ruim ou experiência ruim de outro alguém arruine todos os desejos de seu coração, agarre firme e seja forte em seus pensamento...

Lembrem-se da famosa frase de Vó: “Nem tudo o que parece, é!” 

Sejam pacientes, sábias e VIVAM!

Espero não ter ofendido nenhum (a) colega Au Pair. Esta é apenas a visão de uma menina que veio para cá bem “Alice”, que teve rematch antes do segundo mês, que teve um medo infinito de ter o sonho interrompido mas que foi salva por uma host Family que não tinha obrigação alguma em me ajudar, mas ajudaram porque com certeza nao julgaram todas as Au Pairs como ruim depois de ver alguns relatos ruins vindo de experiência de outras Host Families... Por isso sou grata e desejo a todos vocês o sentimento de gratidão por tudo que viveram e ainda viverão nessa novela Au Pair.


Um beijo a todos os leitores e nos vemos no proximo mês.

Bye bye ♥️



Share:
Scarlett Maltoni

4 comentários:

  1. Av maria, que perfeição de texto! Palavras muito sábias. Passou exatamente os dois lados da moeda que queria passar. Eu amei ler e refletir cada parágrafo desse lindo texto. Parabéns, Scarlett, por ser essa pessoa de luz e tão maravilhosaaaaaaa que você é, docinho💖🌷 Muitos beijos 🥰

    ResponderExcluir
  2. Oi Scarlett! Ai eu super concordo com o seu ponto de vista, é muito fácil generalizar hoje em dia e a mídia social tem ajudado com o "hate" sabe... A gratidão é o sentimento mais humilde que existe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiim Gi... O que será de todos nós se todos nós generalizarmos todas as coisas?? Oh céus... hahahah

      Excluir