Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

30 janeiro 2021

"Ela só Casou para Ficar nos EUA" Pós-Au Pair: O Que Fazer?

O Preconceito da Au Pair que Não Volta

Eu sou a Gisella e este é mais um post do dia 30! Se você ainda não conferiu o meu post do mês passado, no qual eu me apresento e conto um resumo sobre a minha história de Au Pair nos EUA, o link é esse aqui: 

https://www.oblogdas30aupairs.com/2020/12/aupair-extraordinaire-gisella.html

Como contei lá, eu fui Au Pair entre 2012 e 2014 e nesse post, quero compartilhar com vocês sobre o preconceito que sofri por ter me casado com um americano que conheci durante o intercâmbio e um pouco sobre a minha trajetória como ex-Au Pair, os Tipos de Visto que tive depois do J-1, meu processo do Green Card e da minha Cidadania Americana.


O preconceito está em todo lugar e de todas as formas, não é mesmo?

Quando eu decidi ser Au Pair, escutei de muita gente, “Você fez duas faculdades, pós e vai para os EUA ser babá?” Nem a minha mãe me apoiou, ela era contra.


Eu quis ser Au Pair porque precisava do inglês para começar uma nova carreira profissional.

Tem Au Pair que já tem uma profissão, mas que não está feliz em sua área e decide morar fora por um tempo para se preparar ou até se inspirar em trabalhar com algo novo. E tem Au Pair que ainda não tem um objetivo profissional traçado e decide morar fora para tirar um tempo para pensar no que quer da vida. E claro, tem Au Pair que já sabe que não vai querer voltar para o Brasil.


Não importa o seu objetivo com o programa de Au Pair, uma hora ou outra você irá se perguntar, “Mas o que eu vou fazer depois do Au Pair?” e você tem basicamente 3 opções:


1 Voltar para o Brasil


- Para a vida que tinha, no trabalho de antes ou em um novo emprego (muitas se tornam professoras de inglês);

- Para o namorado ou noivo que deixaram;

- Para finalizar a faculdade que trancou ou começar uma faculdade ou pós, mestrado, doutorado...

Muita Au Pair segue com a vida, tem as que nunca mais olham para trás, mas tem as que voltam contrariadas* e passam eternidades se lamentando e sentindo saudades do tempo do intercâmbio.


2 Ser Au Pair em outro lugar ou virar Comissária ou Tripulante


- Muitos países da Europa aceitam Au Pairs ou outros programas parecidos com menos burocracias, com idade maior do que 26 anos e até quem já é casada;

- Tem até alguns países da Ásia e a Austrália oferece também o Demi Pair;

- Fazer o Caregiver no Canadá (e após 2 anos como Caregiver, você pode aplicar para residência permanente no país, o que não acontece nos EUA);

- Aplicar para trabalhar como aeromoça para companhias que te dão visto como a Emirates, Qatar, Etihad…

- Aplicar para trabalhar em navios, fazendo cruzeiros.


3 Ficar nos Estados Unidos


- Ficar “Sem Status”:

Simplesmente ficar ilegal. 


- Trocar o Status para o B-2:

Você fica como turista por até mais 6 meses. Tem Au Pair que usa esse tempo para continuar com a Host Family juntando dinheiro (como a HF não irá pagar agência, ela até pode pagar mais para a AP). Tem Au Pair que encontra um trabalho como Nanny ou outra coisa que não precise de visto e mora com roommates. E você tem a possibilidade de estender por mais 6 meses, ou seja, ficar nos EUA por mais 1 ano após o Au Pair, legalizada. (Editado: É possível solicitar a extensão do Status B-2 mais de 1 vez!)


- Trocar o Status para o F-1 ou tirar o visto F-1 no BR:

Ficar para estudar. Algumas Host Families se tornam sponsors da Au Pair e ao invés de pagar a agência, elas pagam a faculdade para a Au Pair. E tem Au Pair que tira o visto no BR e volta, tanto para continuar morando e trabalhando para a HF, ou consegue um emprego como Nanny (live in ou live out) ou outra coisa que não precise de visto e paga a própria faculdade (e todas as outras despesas). (Editado: É possível que mais de 1 pessoa seja o seu sponsor!)


- Casar:

Tem Au Pair que namora, noiva e se casa com um cidadão americano antes do Status J-1 expirar (ou o B-2, F-1). Tem Au Pair que se casa depois de ter ficado ilegal, o que dificulta um pouco o processo. E tem até Au Pair que “compra” casamento.


P.S. Tem Au Pair que noiva e volta para o BR e solicita o visto K-1 para retornar aos EUA (e se casar). Tem Au Pair que volta para o BR, espera 6 meses e tira o visto B-2 e retorna aos EUA (algumas já intencionadas a estender mais 6 meses ou mais). E tem Au Pair que volta para o BR, espera 2 anos e aplica para ser novamente Au Pair nos EUA com um novo visto J-1. (Au Pair que fica ilegal nos EUA e depois volta para o BR, provavelmente nunca mais poderá retornar aos EUA)


Ah, e tem Au Pair que se alista nas Forças Armadas dos EUA e NÃO precisa ter Cidadania Americana e nem Green Card para isso como explica a ex-Au Pair Caroline nesse post aqui do blog:

https://www.oblogdas30aupairs.com/2014/01/pos-au-pair-como-se-alistar-na-army-do.html


Eu, que vim para os EUA decidida que iria retornar ao Brasil, conheci o meu marido ainda em meu 2º mês aqui e como não estava à procura de romance, só aceitei ir em um date com ele no meu 9º mês, só depois que decidi que iria estender o programa com a mesma host family por mais 1 ano. Logo que nos conhecemos, eu já senti que ele era The One e quando o nosso namoro ficou sério, em meu 2º ano do Au Pair, já comecei a mudar os planos para o meu futuro.

Primeiro, eu troquei o meu Status para o B-2 nos últimos meses do meu 2º ano (continuei com a HF) e quando fui pedida em casamento, eu disse sim, mas não quis “casar para ficar” porque foi isso que comecei a escutar das pessoas.

Segui a razão e não o coração por orgulho mesmo e voltei ao Brasil para tirar o visto F-1 e retornei aos EUA como estudante e cursei a mesma faculdade que já havia feito no Brasil. 

Acho que se não fosse o preconceito que passei por ter escolhido ficar e se tivesse tido o apoio da minha mãe, eu teria me casado pelo menos no civil para ter dado entrada no processo do green card ao invés de ter gastado muito dinheiro com o visto F-1 porque o valor da faculdade para estudante internacional é muito mais caro do que para quem é residente.

Eu me casei mais de 2 anos e meio depois do término do meu programa de Au Pair, mas o “long story short” (resumo) da história do meu intercâmbio vai ser sempre: “A Gisella foi para os EUA como Au Pair, encontrou um americano e casou para ficar lá.” ninguém lembra dos anos que batalhei estudando e trabalhando, sem contar o fato de que sim, eu encontrei o amor da minha vida.

Não me arrependo de ter feito tudo o que eu fiz porque provei para mim mesma de que fui capaz de ter ficado aqui "com as minhas próprias pernas", mas aquilo me serviu como lição e desde então, tudo o que eu faço, ouço o meu coração e não o que escuto das pessoas.


O meu processo do green card foi bem tranquilo, não durou nem 6 meses e em nossa entrevista, não nos foi perguntado 1 pergunta se quer! Nós já estávamos juntos há quase 5 anos e eu enviei milhares de fotos nossas em colagens que fiz, ele já tinha ido ao BR duas vezes comigo, a gente tinha viajado para 25 estados juntos, então ninguém duvidou de que o nosso relacionamento era verdadeiro. E para a minha cidadania, eu tive que estudar essas 100 perguntas e em minha entrevista foram me perguntadas 5 delas e eu acertei todas!

A minha sogra nasceu na Albânia e cresceu em Montenegro (antigamente chamado Iugoslávia) e quando fez 18 anos, foi ser Au Pair na Bélgica e lá, aprendeu o francês enquanto cuidava de dois meninos de 2 e 4 anos por 1 ano. Depois, ela veio aos EUA também como Au Pair e morou no Bronx, NY cuidando de um bebê recém-nascido por 1 ano (não existia extensão nos anos 80). Ela conseguiu um visto de trabalho e continuou aqui trabalhando em um diner, onde conheceu o pai do meu marido, se casou e depois, trouxe seus pais e irmãos para morarem aqui também e ela se saiu como uma "heroína" por ter proporcionado uma vida melhor para a sua família e diz nunca ter sido julgada por ter se casado com um americano e não ter retornado ao seu país.


Então, talvez isso seja algo cultural nosso porque, me conte se você também já ouviu alguém dizer “mas será que é amor ou interesse?”. Acho que só quem vai saber essa resposta é a Au Pair!


A minha dica para Au Pairs que estão procurando um namorado americano é:

"Não corra atrás das borboletas, plante flores em seu jardim e todas as borboletas virão até você." (Elhers) :)


*E se você, que quer ficar nos EUA, mas tem que voltar para o Brasil por algum motivo, saiba que isso não é sinônimo de "derrota". Existe vida pós Au Pair! Você vai passar pelo choque cultural ao contrário, como todas as minhas amigas ex-Au Pairs que voltaram passaram, mas todas elas seguem felizes com suas vidas e são unânimes em dizer que a experiência que adquiriram com o intercâmbio as ajudaram a lidar com problemas pessoais e profissionais. 

Quando o programa de Au Pair terminar, independente do lugar onde se escolher morar, você encontrará desafios, mas também recompensas. Extraia as coisas boas desta experiência, guarde com carinho as recordações, as aventuras, reveja as fotos, mantenha contato com as pessoas que fizeram parte da sua jornada e siga o seu caminho com a mente e o coração abertos, porém jamais mantenha o seu foco no passado. Não viva em função de reviver os bons momentos que teve enquanto morava fora. Siga em frente traçando novas metas, novos objetivos, fazendo novos planos. Olhe para o futuro e se permita, se abra para outras oportunidades, você é inteiramente responsável pela própria felicidade, aquele não foi o único melhor momento da sua vida!


Sim, é bom morar nos EUA, temos segurança e comodidade, mas a vida pós-Au Pair aqui não é um mar de rosas, afinal, estaremos para sempre, longe da nossa família. O importante é lembrar que existem pessoas que nos amam e que torcem verdadeiramente por nós e que distância, não é motivo de esquecimento...


Você é futura ou atual Au Pair e pensa em fazer algo diferente após o seu intercâmbio? Ou você é ex-Au Pair e fez algo diferente? Por favor, compartilhe nos comentários! Também vou adorar saber se você passou ou está passando por o que passei.


Se você gostou da minha história e quer saber mais sobre mim, eu não estou em redes sociais, mas tenho um blog estilo diário onde venho registrando os detalhes da minha jornada nos EUA desde 2010, ou seja, a última década inteira da minha vida está lá nos arquivos! blogdagisella.com
Boa sorte e até o próximo post💗
♡ Fale comigo no Telegram: https://t.me/grupodagisella
Share:
Gisella

4 comentários:

  1. Oi Gi,
    Que delícia ler mais um post seu aqui!
    Realmente as Au Pairs que casam no fim do intercâmbio sofrem um preconceito por essa escolha! O que as pessoas esquecem de levar em conta é que as coisas acontecem durante o au pair, a gente vai mudando o nosso pensamento, vivenciamos o lado bom e ruim de ambos os paises (Brasil e EUA) e até conhecemos pessoas especiais e criamos vínculos bem fortes. Eu admiro muito as pessoas que decidem permanecer nos EUA longe de casa e da família pra poder viver seu amor! Isso não é escolha fácil, só pra ir ser au pair ja ficamos com o coração apertadinho! E ainda por cima as au pairs que casam passam por esse preconceito por parte dos outros! Acho que o mundo precisa de um pouco menos de julgamento e mais compreensão!
    Amei o post!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, muito obrigada Thamy! Sim, e mesmo as que não casam LOGO após o Au Pair, como foi o meu caso, tb sofrem o preconceito, então fica difícil de não nos sentirmos julgadas por qualquer decisão q tomamos :/

      Excluir
  2. Meu maior sonho é morar nos EUA (mesmo sabendo dos pros e contras)haha
    Eu sei q parece loucura,mas eu queria trabalhar como influencer digita 🇺🇲,já crio conteúdos em inglês
    Depois que o programa acabar eu vou precisar tomar muitas decisões difíceis,mas te ouvir no vídeo da Priscila me fez acreditar muito em mim 🤍🖤
    Hey! Vc tem alguma sugestão legal pro meu caso ?
    Não sei se mudo pro visto de estudante ou um outro 🤯
    Tenho bastante essa duvida de qual caminho tomar, já q minha intenção e o green card e não se o visto de estudando iria me trazer isso no futuro
    Realmente quero ficar no EUA




    Sorry pelo textinho mas eu amei vc🧡💛💚

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, obrigada por comentar:) Eu acho que você deve seguir o seu coração, se arriscar para as oportunidades que forem te aparecendo sabe, o principal você já tem, que é a decisão de que quer ficar aqui depois do Au Pair! Achei demais a ideia de influencer, você querendo, você consegue! Boa Sorte💗

      Excluir