Pessoas que largaram tudo para se aventurar nesse mundão de Au Pair!

05 abril 2021

Minha host mom vai muito com a minha cara e agora?


Olá de novo, essa é a continuação do meu ultimo post, aonde eu conto a segunda parte dos meus dois anos de Au pair.

Muito bem, quando eu cheguei na casa da minha host family em Chicago eu já percebi que a energia das pessoas lá era diferente. Eu fui muito bem recebida e eu lembro de ter muita gente pro jantar. Eu fui morar no subúrbio numa cidade muito fofa chamada Wilmette (que é vizinha de Evanston, cidade famosa pelos filmes Meninas Malvadas e Esqueceram de mim). Wilmette e tipo aquelas cidades de filmes em que os vizinhos se conhecem e passam os feriados juntos, viajam juntos, os amigos das crianças moram perto, e o clima é de família mesmo. Eu até comentei em outro post que eles me levaram pra tomar sorvete no primeiro dia e foi todo mundo, uns três carros cheia de gente kkk.

Em Chicago eu fui cuidar de três crianças também, eram duas meninas de 6 e 11 anos e um menino de 13 anos. Eles são muito educados e mais dependentes do que as crianças que eu cuidava, também por serem mais velhos, creio eu. Pra me dar bem com as meninas foi muito rápido, eu aprendi a fazer as panquecas no café da manhã e elas já me amaram kkk. A de 11 anos gosta de Harry Potter e de vídeos engraçados então a gente ficava um tempão rindo juntas. A de 6 anos fazia birra às vezes, mas é um amor e tudo que ela quer é alguém que brinque com ela, então lá ia eu brincar de boneca, pintar as unhas, pular na cama elástica, dançar etc. Com o menino foi mais difícil, talvez por ele ser adolescente ou porque ele é mais tímido mesmo. A gente teve até um momento awkward em que a host mom insistiu que a gente passasse um tempo juntos pra se conhecer e a gente ficou num silêncio muito chato. Ele acabou indo jogar videogame e eu fiquei assistindo um filme kkk mas enfim, no final do meu ano ele era meu parceiro do lanche da meia-noite:)

No começo eu quase tive problemas com a host mom, porque quando eu começo uma coisa nova eu gosto de instruções claras, antes que eu possa me adaptar e desenvolver meu senso de proatividade hehe. Então nós tivemos uma ou outra desavença antes que ela pudesse confiar em mim e eu começasse a fazer tudo certinho e seguir o cronograma das crianças sem problemas. 

Enfim, eles sempre foram muito bons comigo, cumpriram o que tínhamos combinado desde o princípio como os horários, uso do carro, finais de semana off (se eu trabalhava eles me pagavam extra, mesmo se eu tivesse horas sobrando). Nós viajamos pro México por uma semana e eu trabalhei só dois dias porque minha mãe e minha irmã foram me visitar lá. Eles foram super fofos com elas, mesmo não sabendo se comunicar kk. Foi muito diferente da viagem que eu fiz pro Canadá com a host family da Califórnia, em que eu trabalhei todos os dez dias que a gente ficou lá, desde a hora que as crianças acordavam até quando iam dormir (pra não dizer que não tive folga, eles me deram uma noite off e um pouco de dinheiro pra ir jantar com a outra au Pair que tinha ido junto com a família que foi com a gente) e  tive que trabalhar cedo quando a gente voltou de viagem.

Eu posso dizer que tudo que a gente fazia era recíproco, eu trabalhava muito bem pra eles porque sabia que iam me pagar certinho, que eu poderia descansar o suficiente, o que são coisas que qualquer trabalhador almeja não é mesmo?! Rsrs

Eles sempre me elogiaram e o meu relacionamento com as crianças era tipo de irmã mais velha. Eles me ligam até hoje, depois de 1 ano e meio que eu voltei pro Brasil. 

O que eu sei é que eu amo eles e se tiver a oportunidade de voltar a trabalhar pra eles eu volto, e eles dizem o mesmo (olha eu sendo Alice, que bonitinha kkk). 

Share:
Lana Priscila

0 comentários:

Postar um comentário

Follow by Email